Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PCP: Paulo Macedo “não reúne condições” para ser presidente da CGD

Ana Baião

O “percurso anterior” de Macedo, sobretudo como ministro da saúde do governo PSD/CDS, é a razão principal apontada para as críticas dos comunistas

O nome de Paulo Macedo para a presidência da Caixa Geral de Depósitos “oferece muitas reservas” ao PCP, “particularmente pelo seu percurso anterior”, disse Jorge Pires, membro da comissão política do PCP esta sexta-feira no XX Congresso do PCP, em Almada. Para os comunistas, Paulo Macedo “não reúne condições para ser presidente da Caixa de acordo com os critérios que assumimos".

“A responsabilidade é do Governo”, sublinhou Jorge Pires, defendendo no entanto que a decisão não seguiu os dois critérios que os comunistas consideram necessários para a escolha do presidente da caixa. “Ser uma pessoa competente e ser uma pessoa disponível para estar ao serviço do país”.

Enquanto “um dos mais importantes ministros do governo PSD/CDS”, Paulo Macedo teve “responsabilidade” pelas políticas seguidas, designadamente em termos de “privatização” de setores da saúde, assim como o facto de mais de 1,5 milhões de cidadãos terem ficado sem médico de família, destacou Jorge Pires.

Questionado sobre se essa opinião pode afastar o PS e o PCP, o dirigente comunista diz que “essa não é a questão”. “O Governo tem de decidir e o PCP tem obviamente uma opinião”, defende, acrescentando que o Executivo "assume as responsabilidades pelas escolhas que faz”.

Jorge Pires sublinhou que o PCP “desde o início” tem defendido que o processo de definição da administração da CGD decorra da forma mais rápida possível, “mas isso não significa que se resolva mal”, realçou.

Sobre a questão salarial dos administradores da Caixa, o dirigente comunista respondeu que "obviamente não estamos de acordo" com a ausência de limite, tendo em conta que o PCP chegou a apresentar uma proposta na Assembleia da República "que limitava os salários dos gestores a 90% do salário do Presidente da República" - mas que não foi aprovada.

O membro da comissão política disse ainda que o PCP foi informado sobre a decisão em relação ao novo nome para a administração da Caixa Geral de Depósitos e que manifestou ao Governo a mesma opinião que expressou esta sexta-feira.

[atualizada às 17h50]