Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

BE sob fogo cerrado por não ter aplaudido Rei de Espanha

Marcos Borga

Partido foi “mal educado”, considera Duarte Marques, deputado do PSD, enquanto Porfírio Silva, do PS, lembra que “os reis não são todos iguais”

Depois de esta manhã os deputados do Bloco de Esquerda terem permanecido sentados nas bancadas do Parlamento após o discurso do Rei de Espanha – o PCP não aplaudiu, mas os seus deputados levantaram-se no momento dos aplausos –, muitas são as vozes críticas nas redes sociais condenando a atitude. Algumas são de outros deputados.

“O Facebook está cheio de posts sobre a atitude javarda e malcriada dos deputados do bloco de esquerda ante um chefe de Estado de outro país, por sinal democrático, que nos visita, e visita o Parlamento”, considera Raul Almeida, ex-deputado do CDS. “Compreendo a repulsa e a indignação, não compreendo de todo a surpresa”, acrescenta.

A intervenção de Felipe VI foi aplaudida de pé pelo primeiro-ministro, membros do Governo e grupos parlamentares do PSD, PS e CDS.

Os deputados do BE, que não participaram na sessão de cumprimentos aos reis, pretenderam manter “a posição de sempre, republicana”, fiéis também à não valorização das “relações de poder com base em relações de sangue e não em atos democráticos”. Alguns dos deputados do Bloco usaram mesmo pins da República, discretos, mas como expressão simbólica da sua posição.

Também Duarte Marques, deputado do PSD, comentou a atitude do BE: “Esta é a diferença: PCP não bate palmas mas demonstra respeito pelo interesse nacional e sentido de Estado. O BE é apenas mal educado”. A acompanhar o post, uma foto da Assembleia, momentos após a intervenção do Rei.

Através do Facebook, Porfírio Silva, do PS, afirma que “os reis não são todos iguais”, lembrando que “a atual dinastia da monarquia espanhola merece crédito, até pelo contributo que deu para a democracia espanhola”, tendo sido “legitimada democraticamente”.

“Continuo a pensar que uma república é mais democrática do que uma monarquia? Continuo. Mas isso não me impede de respeitar um rei que, julgo, respeita a ordem constitucional do seu país, que é uma democracia”, conclui Porfírio Silva.

Eurico Dias Brilhante, também da bancada parlamentar socialista, julga “uma infantilidade tratar os espanhóis como um povo infantil”.

“À terça votamos votos de pesar sem fazer referência a um sistema político sem eleições livres; à quarta ficamos sentados numa sessão solene com um chefe de estado de uma monarquia constitucional com eleições livres. E com uma constituição referendada em democracia”, acrescenta o deputado, numa alusão à aprovação pelo BE dos dois votos de pesar pela morte de Fidel Castro apresentados esta semana na Assembleia. E termina: “Viva a República mas que Deus nos livre das vanguardas esclarecidas”.

(Texto atualizado às 18h54)