Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Dois votos de pesar pela morte de Fidel aprovados sem unanimidade na AR

REUTERS

Foram vários os deputados de PSD, CDS e PS que votaram em sentido diferente da bancada que representam, votos que não alteraram o sentido final da votação – favorável em ambos os textos propostos pelo PS e pelo PCP.

A Assembleia da República aprovou esta tarde dois votos de pesar pela morte do líder histórico cubano Fidel Castro, textos apresentados por PS e PCP que não mereceram unanimidade nas bancadas.

O texto do PCP mereceu votos a favor dos comunistas, do Bloco de Esquerda e do partido ecologista "Os Verdes" e o voto contra de CDS, passando com a abstenção de PS e PSD (para além do PAN); já o voto apresentado pelo PS teve parecer favorável dos socialistas, BE, PCP e "Os Verdes", abstenção de PSD e PAN e "nega" do CDS.

Contudo, foram vários os deputados de PSD, CDS e PS que votaram em sentido diferente da bancada que representam, votos que não alteraram o sentido final da votação – favorável em ambos os textos.

Fidel Castro morreu na noite de sexta-feira, 25 de novembro, aos 90 anos, às 22h19 locais (3h29 de sábado em Lisboa). O anúncio da morte de "El Comandante" foi feito pelo seu irmão e sucessor desde 2008, Raul Castro, na televisão estatal, terminando com o grito "Até à vitória, sempre!".


  • Fidel Castro: os elogios de PS e PCP em votos de pesar

    Voto dos socialistas destaca “uma figura de importância central na leitura do século XX” e “determinante no aprofundamento das relações diplomáticas e de proximidade entre Portugal e Cuba após a Revolução do 25 de Abril”