Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos: Governo de Costa tem “memória curta”

Pedro Passos Coelho no discurso de encerramento da Convenção Autárquica do partido em Castelo Branco

LUSA

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusa o Governo chefiado por António Costa de só estar “preocupado com o curto prazo e com as eleições autárquicas no próximo ano

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse este sábado que o atual Governo é um dos "mais partidários" de que tem memória e acusou-o de estar só preocupado com a sua própria situação. "Este foi um dos mais partidários Governos de que tenho memória". O líder do PSD, que falava na sessão de encerramento da Convenção Autárquica do PSD de Castelo Branco, disse que este primeiro ano de Governo socialista, "ficou muito aquém" das possibilidades do país: "2016 deveria ter sido um ano com maior crescimento económico, maior geração de emprego e maior redução de divida do que foi. Em primeiro lugar porque a embalagem que vinha de trás assim o permitia".

O dirigente explicou também que o impulso que vinha do seu Governo, manifestou-se em 2016, ao contrário da "retórica vigente" do atual Governo. "A nossa tendência de recuperação estava desenhada firmemente. Crescemos em terreno positivo ao longo de todo o ano de 2014 e tivemos um ano de 2015 em que o crescimento foi de 1,6%. O país beneficiava desse crescimento e também de condições ainda mais favoráveis, de uma política conduzida pelo Banco Central Europeu que tornou mais barato o financiamento ao Estado e à economia".

Passos Coelho sublinhou que neste ano de governação socialista o país ficou materialmente pior em termos de dívida pública, que cresceu quando se tinha reduzido em 2015. "Num país em que a divida pública é muito elevada, é importante não deixar que isso aconteça e este Governo tinha dito que tinha uma alternativa, que colocaria o país a crescer ainda mais do que no passado e a desendividar-se mais do que nós tínhamos conseguido. Fica o resultado: não só não crescemos mais do que no passado, como a nossa dívida aumentou e isso é negativo".

Para o líder social-democrata, há uma inversão de papéis que resulta do facto de o Governo não estar preocupado com o longo prazo e com o futuro. "Está apenas preocupado com o curto prazo e com as eleições autárquicas que ocorrem no próximo ano. Chega a ser escandaloso a forma como o Governo e a maioria, calendarizam medidas a pensar na demagogia e no populismo que querem fazer em vésperas de campanha eleitoral".

Pedro Passos Coelho no discurso de encerramento da Convenção Autárquica do partido em Castelo Branco

Pedro Passos Coelho no discurso de encerramento da Convenção Autárquica do partido em Castelo Branco

LUSA

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou o Governo de falta de coragem para governar e de não conseguir assumir publicamente as medidas que toma: A "política partidária tomou conta do Governo. E depois vemos velhos hábitos regressarem, daqueles que gostaríamos que não existissem: a falta de coragem a governar. O governo não consegue assumir publicamente as medidas que toma. Isto é gritante na política orçamental", afirmou o líder social-democrata.

"Quando o Governo que eu presidi teve que tomar medidas difíceis, fui o primeiro a comunicá-lo para que as pessoas soubessem o que estávamos a fazer e porque estávamos a fazê-lo. Nunca me escondi atrás de ninguém", sublinhou. Segundo o líder do PSD, hoje há quem considere uma "habilidade bem sucedida" o facto de o primeiro-ministro e até os seus ministros, furtarem-se a explicar ao país o que decidem. E, como exemplo, explicou que uma parte do esforço de contenção do Orçamento resulta daquilo a que chamaram de "cativações permanentes".
"Isto em bom português não existe: é um contrassenso total. Uma cativação permanente é igual a corte. Se é permanente, é um corte. Não é cativação nenhuma", sustentou.

Segundo Passos Coelho, há outros vícios que estão de regresso, como o não pagamento aos fornecedores: "O aumento do pagamento a fornecedores tem sido constante e então no Serviço Nacional de Saúde (SNS) é preocupante".

"Temos portanto mais dívida que está a crescer, uma que não está reconhecida: enquanto as faturas andam de um lado para o outro e enquanto a coisa anda para trás e para a frente não existe. É uma habilidade boa que nos vai dar imensa saúde para futuro", ironizou.

Adiantou ainda que ao olhar para as políticas seguidas ao longo do último ano, o país está a dar uma perspetiva de que está a perder oportunidade e a mostrar aos agentes económicos e investidores que dá pouca importância aquilo que é estrutural e permanente e que concentra a sua ação no curto prazo.

"Se a história nos mostra que cada vez que olhamos apenas para o dia que estamos a viver e nos esquecemos do futuro, isso acaba sempre por representar um retrocesso, porque é que repetimos a experiência?" - questionou.

Passos disse ainda que não entra em leilões populistas: "Ninguém está a olhar para as sondagens para saber se devemos oferecer mais disto ou daquilo".