Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

É desta. Fim à vista para o “Jornal da Madeira” de Alberto João

Gregório Cunha

Alberto João Jardim, durante décadas o principal articulista do “Jornal da Madeira”, aloja agora os textos que escreve num blogue e na página oficial do Facebook. Quanto ao jornal onde o antigo líder madeirense começou a carreira, está prestes a deixar de ser uma empresa pública. O novo Governo espera vender o título ainda este ano

Marta Caires

Jornalista

O jornal onde Alberto João Jardim iniciou a carreira política está prestes a deixar de ser uma empresa pública e o novo Governo madeirense acredita que antes do fim do ano o dossier "Jornal da Madeira" fica encerrado de vez.

Se se confirmar, a venda representará o fim de uma das mais longas polémicas da política madeirense onde coube tudo: os milhões dos subsídios, a linha editorial, os artigos de opinião com ataques a jornalistas e adversários e até uma ocupação das instalações pelo PND que durou nove horas. E no meio de tudo Alberto João Jardim, o defensor da existência do matutino, a bem do pluralismo e contra os inimigos da autonomia.

O prazo de entrega de propostas para a aquisição da empresa termina esta quarta-feira, mas há mais de um ano que o "Jornal da Madeira" não é o mesmo, mudou até de nome (passou a JM) e o antigo presidente do Governo deixou de publicar artigos de opinião. O homem, que durante 41 anos dirigiu, decidiu e influenciou o que se publicava no jornal, aloja agora os textos que escreve num blogue, Fénix do Atlântico, e na página oficial do Facebook, onde tem mais de seis mil seguidores. Quanto ao JM, o mais certo é que seja vendido a um grupo de empresários e por um preço simbólico, que não deverá ultrapassar os 50 mil euros. Os apoios públicos – que chegaram a ser de quatro milhões de euros ao ano – não irão além dos 300 mil euros no próximo ano.

Miguel Albuquerque deixou cair um dos ícones de Jardim, defensor do jornal de capitais públicos a bem do pluralismo e contra os Blandys, a família proprietária do "Diário de Notícias da Madeira". A relação do antigo presidente do executivo madeirense ao matutino remonta a 1974 quando, no calor da revolução, o bispo do Funchal o convidou para diretor. D. Francisco Santana, o bispo, estava preocupado com os avanços do comunismo e deu ordens expressas para fazer do órgão da diocese uma arma política sem missas e santinhos. O próprio Alberto João Jardim conta os detalhes desse convite no livro "Achas da Autonomia".

Quatro anos depois o diretor do jornal tomava posse como presidente do Governo, mas a ligação iria manter-se nas décadas seguintes. Alberto João Jardim não se limitaria a escrever artigos de opinião sobre a maçonaria, os socialistas, a família Blandy, a esquerda, os jornalistas, as corporações e a comunicação social – que dizia estar controlada por sociedades secretas. O "Jornal da Madeira" foi útil nas campanhas eleitorais, em períodos de maior agitação ou para publicar na íntegra os discursos que fazia nas inaugurações. Em tempos mais atribulados – e um dos mais complicados terá sido a vaia nos Barreiros por causa do clube único – o jornal tomou a defesa do líder contra os que o apuparam a 25 de maio de 1997.

Numa notícia, uns dias depois da vaia nos Barreiros, uma fonte anónima garantia que entre os agitadores mais ruidosos, estavam “três ou quatro indivíduos com cadastro policial” e com “currículo na utilização de arma branca”. A mesma notícia dizia ainda que o protesto tinha sido organizado, que nada fora feito para evitar o “agravo ao presidente” e que era, na verdade, um ajuste de contas do presidente do clube, Rui Fontes, antigo secretário regional dispensado. O clube único não avançou, mas Rui Fontes deixou de ser presidente do Marítimo.

As notícias tendiam a ser sempre pró-Governo e as más notícias apenas as que diziam respeito à oposição, sobretudo ao PS, mas os grandes trunfos do jornal eram mesmo os artigos de opinião de Jardim e os seus famosos post-scriptum. O líder do governo reservava estas notas de fim de página para atacar adversários, mas sobretudo os jornalistas do "Diário de Notícias" e os correspondentes dos jornais de Lisboa. A todos chamava comunistas, esquerdistas e meros funcionários. Uma vez classificou um jornalista do "Diário de Notícias" como “anorético” por causa do aspeto físico.

E é por causa de dois artigos de opinião publicados em 1994 que Jardim tem um processo por difamação a correr em tribunal. O queixoso, António Loja, militante socialista, não gostou de ler que lhe caíam os dentes de raiva e senilidade, entre outras simpatias assinadas pelo então presidente do governo regional. O caso esteve congelado 21 anos por causa da imunidade de conselheiro de Estado, houve recurso após vários adiamentos do julgamento. A última decisão conhecida é que terá mesmo de avançar o julgamento.

Campanha agitada

A meados dos anos 90, a contestação aos subsídios do Governo subiu de tom mas só se iria tornar visceral em 2008, quando o "Jornal da Madeira" passou a ser distribuído como gratuito. O "Diário de Notícias da Madeira" apresentou várias queixas, entre elas à autoridade da concorrência. Os milhões de euros ao ano para um jornal que tinha já o monopólio da publicidade oficial passaram a ser também uma bandeira da oposição. Em 2011, durante a campanha eleitoral para as regionais, ativistas do PND ocuparam as instalações do jornal durante nove horas. E só saíram para entrar em direto nas televisões e em horário nobre a denunciar as ajudas do Governo.

A campanha foi agitada e o jornal – que tinha no cabeçalho o seguinte apelo: “em 2011 ajude o Jornal da Madeira” – fez a defesa da dívida da Madeira contra Lisboa, contra a oposição, contra a comunicação social. Em Lisboa estava um Governo do PSD, mas isso não refreou Jardim que, numa luta pela maioria absoluta, foi ele mesmo e até disse que a dívida era abençoada. No estilo, no discurso e nos alvos a campanha eleitoral das regionais de 2011 pode ter sido dura, mas o grande cisma iria acontecer em 2012 onde, uma vez mais, o "Jornal da Madeira" iria desempenhar um papel importante.

2012 foi o primeiro ano do programa de ajustamento financeiro e um dos mais complicados para o governo regional obrigado a aumentar impostos e a suspender obras. Dentro do PSD, os descontentes reuniram-se em torno de Miguel Albuquerque que desafiou Jardim nas primeiras diretas com dois candidatos a líder. Nas páginas do jornal a candidatura de Albuquerque, então presidente da Câmara do Funchal, não teve espaço, mas o presidente do partido escreveu todos os dias no mês que antecedeu as eleições internas contra “o assalto” ao PSD. Ao longo desse mês confessou arrependimento por ter escolhido o adversário para a Câmara do Funchal e acusou de “querer ir para presidente do Governo” por não ter para onde ir.

“E vai daí, toca a tentar rebentar o PDS/Madeira por dentro, toca a querer lançar a Região na loucura das eleições antecipadas para pagar ao CDS o favor de ajudado a organizar as jantaradas e a preencher a sala dos restaurantes; para pagar o investimento que o grupo Blandy fez na pessoa dele; e para arranjar os “tachos” no Parlamento que andou a prometer aos sequazes”. As palavras, escritas em Outubro de 2012, mostram bem o clima político da altura e o que pensava Jardim sobre o adversário. E este foi apenas o princípio de uma luta que iria durar mais dois anos também nas páginas do jornal público.

Depois da derrota por poucos em 2012 Albuquerque ganhou o PSD no fim de 2014. Em 2015, foi eleito presidente do governo e das promessas eleitorais fazia parte uma solução para o "Jornal da Madeira". O processo de reestruturação começou pouco tempo depois. Jardim deixou de escrever, houve mudanças na linha editorial, no grafismo e até no nome, que passou a JM. Houve redução no valor do subsídio e o governo acredita que aparecerão interessados em comprar a empresa.