Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD: números do INE são boa notícia mas Governo não pode “embandeirar em arco”

Alberto Frias

Luís Montenegro diz ser necessário analisar os “dados desagregados e perceber se há aqui uma base que possa sustentar um caminho duradouro de crescimento económico superior à previsão do próprio Governo em sede de Orçamento do Estado, quer para 2016 quer para 2017”

O PSD admite que os dados económicos do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre o terceiro trimestre do ano, revelados esta manhã, são uma "boa notícia", mas vinca que o Governo não pode "embandeirar em arco" com os dados.

"Há uma boa notícia para o país, que de alguma forma surpreende todos aqueles que perspetivavam nas últimas semanas um crescimento inferior", admitiu no Parlamento Luís Montenegro, líder da bancada do PSD na Assembleia da República.

Depois, todavia, o social-democrata vincou ser necessário analisar os "dados desagregados e perceber se há aqui uma base que possa sustentar um caminho duradouro de crescimento económico superior à previsão do próprio Governo em sede de Orçamento do Estado, quer para 2016 quer para 2017".

E prosseguiu: "É melhor termos uma boa notícia do que uma má notícia, e isso gostaríamos de assinalar. Em todo o caso, não é razão para embandeirar em arco e pensar que a nossa economia está a dar uma resposta que nos possa colocar acima da margem que pode sustentar no futuro mais crescimento".

Luís Montenegro frisa que Portugal vai chegar "ao final do ano de 2016 com um pior desempenho" do que em 2015, "e isso é indiscutível, independentemente do resultado deste trimestre", e portanto "esta boa notícia não é suficiente, e terá de ser complementada com uma trajetória que possa vislumbrar uma taxa de crescimento superior à que o Governo estima para este ano e o próximo ano".

Questionado sobre as referências ao "diabo" que estaria a chegar, de acordo com palavras do presidente do PSD Passos Coelho, Montenegro devolveu: "Os partidos que suportam o Governo falam mais no diabo que o PSD. Isso é muito sintomático da sua postura de fugir a uma realidade económica que não é confortável para o país".

Segundo a estimativa rápida do organismo de estatística português, a economia cresceu 1,6% no terceiro trimestre do ano em termos homólogos e 0,8% face ao trimestre anterior, acima das previsões dos analistas. Para o INE, "o crescimento mais intenso do PIB [Produto Interno Bruto] refletiu principalmente o aumento do contributo da procura externa líquida, verificando-se uma aceleração mais expressiva das exportações de bens e serviços" face à das importações de bens e serviços, além do contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB no terceiro trimestre, em resultado da "aceleração do consumo privado".