Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Após eleição de Trump, Açores aguardam “passos seguintes” quanto a emigrantes e Lajes

Tiago Miranda

O presidente do Governo do arquipélago diz estar atento e acrescenta que felicitou o congressista luso-americano Devin Nunes pela eleição para a Câmara dos Representantes

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, disse esta segunda-feira que aguarda "os passos seguintes" da nova administração norte-americana em relação ao anúncio da expulsão de imigrantes e do processo da base das Lajes.

"Essa é uma das matérias relativamente às quais aguardamos os passos seguintes da nova administração norte-americana e é um dos assuntos, a par de outros, como por exemplo a questão da base das Lajes, que nos leva a um acompanhamento muito atento e muito próximo desses passos que serão dados a partir do momento em que essa administração entre em funções", afirmou Vasco Cordeiro.

O chefe do executivo regional falava aos jornalistas após ter-se reunido com o ex-presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, ao ser questionado sobre a intenção de o novo presidente dos Estados Unidos da América expulsar milhões de imigrantes.

Para Vasco Cordeiro, "é importante enquadrar devidamente essas palavras que se referiram fundamentalmente a situações em que existem problemas com a justiça norte-americana".

"Isto não deve ser generalizado para toda a comunidade, mas é uma das razões pelas quais nós seguimos muito atentamente esses próximos passos", adiantou.

Vasco Cordeiro acrescentou que felicitou o congressista luso-americano Devin Nunes, que tem origens na ilha de São Jorge, pela eleição para a Câmara dos Representantes e que vai integrar a equipa de transição do futuro presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

"Tive já oportunidade de falar e de felicitar o congressista Devin Nunes pela sua eleição para a Câmara dos Representantes, pelo papel que tem desempenhado também no reforço das ligações, não só efetivas, mas também institucionais e políticas, da Região Autónoma dos Açores, e pela atenção também que tem dado a um dos principais assuntos que temos pendente em relação aos Estados Unidos da América e que é a situação da base das Lajes", adiantou.

O republicano luso-americano Devin Nunes foi reeleito no 22.º distrito da Califórnia para a Câmara dos Representantes, onde concorria contra o democrata Louie Campos, com 68% dos votos contra 32%.

Nunes, de 43 anos e neto de açorianos, é diretor do Comité do Serviço de Informações da Câmara dos Representantes e deve continuar no cargo uma vez que os republicanos mantêm o controlo da câmara baixa do Congresso dos EUA.

Devin Nunes integra também agora o comité executivo de 16 elementos da equipa de transição de Donald Trump.

Para Vasco Cordeiro, nesta fase de transição Devin Nunes "tem um papel de grande importância", anunciando que no futuro "a atuação, as políticas, as medidas que vão ser colocadas em prática pela nova administração" não dispensarão o acompanhamento "muito próximo e o reforço até dos contactos e das ligações" quer com este congressista, como com outros.

A administração norte-americana anunciou em janeiro de 2015 uma redução de cerca de 500 militares na base das Lajes e o consequente despedimento de 400 trabalhadores portugueses.

O processo de redução deveria estar concluído a 15 de março de 2016, mas a Força Aérea norte-americana decidiu alargar o período de saída dos trabalhadores portugueses até ao final do ano fiscal (setembro de 2016), tendo em conta a necessidade de dar formação dos trabalhadores que permaneceram na base.