Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa e as previsões de Bruxelas: para a semana as notícias “serão ainda melhores”

António Costa abraçado ao seu homólogo luxemburgês Xavier Bettel durante a conferência de imprensadesta manhºa

André Kosters / Lusa

Primeiro-ministro fez esta declaração no final de uma reunião com o seu homólogo luxemburguês, em São Bento, depois de questionado sobre as previsões da União Europeia em relação à evolução da economia portuguesa até ao final deste ano e em 2017

O primeiro-ministro afirmou esta manhã que as notícias sobre a economia portuguesa "são boas" e que para a semana "ainda serão melhores", numa alusão ao processo de aprovação do projeto de Orçamento do Estado para 2017 por parte da Comissão Europeia.

António Costa fez esta declaração no final de uma reunião com o primeiro-ministro luxemburguês Xavier Bettel, em São Bento, depois de questionado sobre as previsões da União Europeia em relação à evolução da economia portuguesa até ao final deste ano e em 2017.

"São boas e para a semana ainda são melhores", respondeu quando já abandonava a sala onde tinha prestado declarações e acompanhava o seu homólogo luxemburguês até a porta da residência oficial.

António Costa referia-se então à decisão da Comissão Europeia sobre o projeto de orçamento português, prevista para o próximo dia 16, à qual se segue uma visita a Portugal do comissário europeu para os assuntos económicos e financeiros, Pierre Moscovici, dois dias depois.

Na declaração conjunta com Xavier Bettel, António Costa defendeu que Portugal e o Luxemburgo "partilham uma visão comum sobre a necessidade de reforçar a União Europeia". "No próximo Conselho Europeu, em Roma, é preciso dar um novo impulso para uma União Europeia que seja cada vez mais forte e mais dinâmica", sustentou o primeiro-ministro.

António Costa referiu-se depois à visita que o primeiro-ministro luxemburguês fará à Web Summit, no Parque das Nações, em Lisboa, dizendo constituir "um excelente sinal de como efetivamente a Europa se deve concentrar a dinamizar a sua economia". "Uma economia assente na educação, na inovação e na investigação científica, ou seja, nos fatores que contribuem para uma economia dinâmica nesta era do conhecimento", apontou ainda Costa.

Neste capítulo, já quando finalizava a sua declaração, António Costa especificou a que é essencial a aposta da União Europeia no mercado único digital. "Temos de aproveitar as oportunidades para que exista uma economia europeia cada vez mais forte", acrescentou.

[Notícia atualizada às 13h53]

  • A Comissão Europeia desconfia da previsão do Governo de atingir um défice de 2,4% este ano e aponta para os 2,7% do PIB. Já as previsões económicas de Bruxelas para 2017 não identificam o ajustamento orçamental pedido para o próximo ano