Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Licenciaturas falsas: ex-secretário de Estado não sabe se ministro da Educação sabia

FOTO ALBERTO FRIAS

João Wengorovius Meneses faz novas acusações ao ministro Tiago Brandão Rodrigues, relembrando as circunstâncias em que se demitiu em abril

O ex-secretário de Estado do Desporto João Wengorovius Meneses acusa o ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues de "ingerências frequentes e injustificadas", explicando que essa foi uma das razões para a sua demissão em abril, e sobre o chefe de gabinete que se demitiu esta sexta-feira por ter duas falsas licenciaturas diz que não sabe se o ministro estava ao corrente.

No Facebook, escreveu que, "depois de ter passado o fim de semana a declinar convites para dar explicações – por entender que nada mais há a dizer no espaço público que possa ser relevante/edificante", entendeu clarificar as razões para a sua demissão, entre as quais a má relação com o seu chefe de gabinete, que se demitiu na sexta-feira depois da polémica sobre duas licenciaturas falsas, e com o próprio ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

"A minha saída do Governo teve a ver com dois aspetos relacionados com o ministro da educação: ingerências frequentes e injustificadas no meu gabinete e valores/métodos de trabalho incompatíveis. No que diz respeito às ingerências, elas não se limitaram ao chefe de gabinete. Por exemplo, foi-me exigida a exoneração de uma das minhas mais competentes assessoras, sem qualquer tipo de fundamento racional", explica. "Quanto ao chefe de gabinete: 1) recebi-o de boa fé por indicação do ministro; 2) a dado momento quis substituí-lo devido à sua falta de competência e lealdade (por episódios concretos); 3) nessa altura, comuniquei ao ministro quem iria substituí-lo; 4) o ministro pediu-me que não o exonerasse; 5) uns dias depois, já muito perto de deixar o Governo, soube que ele afinal não tinha uma licenciatura (pela jurista do gabinete); 6) quanto a não ter as duas licenciaturas, só o soube pela comunicação social; 7) como me parece óbvio, a razão pela qual nunca investiguei os CVs da equipa teve a ver com o facto de jamais me passar pela cabeça o atual cenário", acrescentou.

João Wengorovius Meneses adianta ainda que não sabe se o ministro da Educação saberia das falsas licenciaturas de Nuno Félix. "Eu não sei se sabia e recuso-me a especular sobre isso em público", diz.