Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Zuraida Soares pede aos eleitores que votem porque “há muita coisa em jogo”

  • 333

Catarina Martins acompanhada por Zuraida Soares, durante um jantar, a 8 de outubro, no âmbito da campanha eleitoral para as eleições legislativas da Região Autónoma dos Açores.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Candidata a deputada no parlamento regional pelo Bloco de Esquerda, Zuraida Soares diz que não votar nas eleições deste domingo é “virar as costas a um direito, a uma liberdade”, ela que afirma estar “tranquilíssima” quanto ao resultado do sufrágio, “seja ele qual for”

A coordenadora do BE/Açores e candidata a deputada no parlamento regional, Zuraida Soares, disse este domingo que os açorianos devem votar, pois “há muita coisa em jogo” para o desenvolvimento da região.

“Há muita coisa em jogo nestas eleições do ponto de vista dos Açores e do seu desenvolvimento e os eleitores têm toda a liberdade, face ao painel que a democracia lhes oferece, para poderem optar”, afirmou Zuraida Soares, após ter votado pelas 12h00 locais (mais uma em Lisboa), na freguesia de São Vicente Ferreira, concelho de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Para Zuraida Soares, que é cabeça de lista do BE pelo círculo eleitoral de São Miguel, o maior do arquipélago ao eleger 20 deputados, não votar é “virar as costas a um direito, a uma liberdade, e entregar nas mãos de poucos” o destino do arquipélago.

Destacando que em democracia a abstenção “só pode ser uma preocupação”, a dirigente bloquista referiu que “a capacidade, a liberdade de escolher, optar e arriscar foi a democracia que trouxe”, pelo que os eleitores devem aproveitar e exercer essa liberdade.

Zuraida Soares, deputada única do Bloco de Esquerda, afirmou ainda estar “tranquilíssima” quanto ao resultado do sufrágio, “seja ele qual for”.

Para a votação deste domingo, estão inscritos 228.160 eleitores que vão escolher os 57 deputados à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores para os próximos quatro anos. De acordo com os resultados das eleições, o Representante da República nomeia depois o presidente do Governo Regional que, por sua vez, propõe os membros do executivo.