Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos defende regulação da Uber

  • 333

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Estado “se calhar está a exigir demasiado a uns e menos a outros”, afirmou o ex-primeiro-ministro a propósito da polémica em torno da regulação dos novos serviços de transporte de passageiros

O presidente do PSD defendeu esta segunda-feira a regulação dos novos serviços de transporte de passageiros que surgiram, como a Uber e a Cabify, sublinhando que talvez o Estado esteja a exigir demasiado a uns e menos a outros.

“Neste momento há uma divisão entre aquilo que é imposto ao serviço de táxi, por um lado, e aquilo que é imposto a outros serviços, que são serviços inovadores, que apareceram há menos tempo e para os quais não havia regulação”, admitiu o líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, em declarações aos jornalistas no final da cerimónia de inauguração da nova sede da UGT, em Lisboa.

Por isso, defendeu, o Estado tem de regular esta matéria e “tem de o fazer sabendo que se calhar está a exigir demasiado a uns - a quem impõe um custo e um ónus demasiado elevado - e menos a outros”.

Fazendo votos para que possa existir um entendimento “porque as pessoas precisam de aceder a melhores transportes”, Passos Coelho não fez nenhuma referência direta à manifestação que os taxistas estão a fazer desde o início da manhã junto ao aeroporto de Lisboa, mas insistiu na necessidade de “regras transparentes” e adequadas ao que são as exigências que o próprio Estado deve colocar a todos os operadores.

“Hoje talvez seja dia de dizer que, apesar de termos muito poucas greves, para não dizer quase nenhumas nos transportes públicos, eles nunca tiveram tão mau serviço e as pessoas nunca tiveram razão para ter tantas queixas”, acrescentou.

Centenas de taxistas estão desde a manhã desta segunda-feira em protesto junto ao aeroporto de Lisboa, bloqueando o trânsito até à rotunda do Relógio, quase seis meses depois de terem feito um protesto idêntico contra a plataforma Uber.

Os profissionais estão em luta contra a regulação, proposta pelo Governo, da atividade das plataformas de transportes de passageiros como a Uber ou a Cabify e tinham inicialmente como destino a Assembleia da República.

As plataformas Uber e Cabify permitem pedir carros descaracterizados de transporte de passageiros através de uma aplicação para 'smartphones', mas estes operadores não têm de cumprir os mesmos requisitos - financeiros, de formação e de segurança - do que os táxis.