Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Timor, “pântano”, refugiados: 3 palavras-chave na biografia de Guterres

  • 333

DIMITAR DILKOFF / AFP / Getty Images

Depois de 10 anos como Alto Comissário para os Refugiados, António Guterres é eleito secretário-geral das Nações Unidas. Um destino que poucos antecipariam para o homem que Portugal lembra como o salvador de Timor-Leste, mas também como o primeiro-ministro que se demitiu a meio do mandato para evitar que o país caísse num “pântano”

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

António Manuel de Oliveira Guterres tem 67 anos, cumpridos a 30 de abril. Nasceu em Lisboa mas o país sempre o tomou por nado e criado em Donas, Castelo Branco, um "equívoco" que nunca o incomodou, pelo contrário: foi na terra dos avós maternos que passou grande parte da infância e foi o aperceber-se das dificuldades por que passavam os seus amigos da aldeia da Beira Baixa que "contribuiu decisivamente" para, mais tarde, se "dedicar à política e ter ideais socialistas".

Acabou o liceu com 18, quis ser investigador físico, licenciou-se em engenharia electrotécnica no Instituto Superior Técnico, com a inacreditável média de 19. Mas acabou por nunca exercer a profissão: o ativismo na Juventude Universitária Católica e noutros movimentos associativos ligados à Igreja que faziam trabalho social em Lisboa fizeram-no desistir de um rumo que, a certa altura, lhe pareceu ter "uma utilidade social pouco relevante".

Acabaria por encontrar novo caminho na vida política, de onde se começou a aproximar pouco antes do 25 de abril. Entrou no PS, pela mão de António Reis, exatamente no dia da Revolução. Certa vez, numa entrevista, explicou que não via qualquer contradição entre as dimensões cristã e socialista na sua vida: "Ser cristão dá-nos uma matriz de valores. Ser socialista dá-nos uma visão política do mundo e uma vontade de intervir".

Assume-se um social-democrata que concilia os valores tradicionais da solidariedade e da justiça social com o reconhecimento da importância da iniciativa e atividade individuais. E um moderado: "Normalmente é-se muito radical na ação quando não se está bem seguro daquilo que se quer". Deixou-se inspirar por Salgado Zenha, que reconhece ter sido a figura política que mais o marcou.

A recusa que lhe custou

Tinha apenas quatro anos de experiência política quando Mário Soares o convidou para ministro da Saúde. Recusou: "Simplesmente não estava ainda preparado", justifica. Como haveria de recusar, dez anos mais tarde, o convite de Vítor Constâncio, primeiro, e Jorge Sampaio, depois, para ser o candidato do PS à Câmara Municipal de Lisboa. Factos que contribuiriam para que fosse rotulado como calculista, ambicioso, cuidadoso gestor da sua carreira. Ele não se revê no retrato: "Se me perguntar se tenho alguma ambição política para o futuro, respondo-lhe com total verdade que não tenho nenhuma", diria em 2002 (já depois de ter deixado o Governo) à jornalista Anabela Mota Ribeiro.

Na mesma ocasião confessou que se alguma coisa lhe custou recusar foi a Comissão Europeia (seria convidado para presidir à instituição em 1999, pouco tempo antes do fim do seu primeiro mandato como primeiro-ministro): "Se tivesse uma lógica de ambição pessoal deveria ter aceite naquele minuto. Entendi que o que estava a fazer aqui me criava obrigações de que não podia fugir".

Acabaria por "fugir", ou pelo menos essa foi a leitura que prevaleceu, quando, dois anos depois de ter vencido as legislativas pela segunda vez, com a maioria mais bizarra de que há memória na democracia portuguesa (115 deputados, exatamente metade da Assembleia da República, menos um do que precisaria para garantir a maioria absoluta), soçobra aos maus resultados do PS nas eleições autárquicas de dezembro de 2001. Explicou, perante uma nomenklatura socialista em estado catatónico e um país incrédulo, que "se nada fizesse, se olhasse para estas eleições e passasse por elas continuando a exercer as funções de primeiro-ministro, o país cairia inevitavelmente num pântano político que minaria as relações entre governantes e governados". "Pântano" passaria a ser substantivo indelével de uma sua qualquer biografia.

A perda para o PSD das principais câmaras do país (Lisboa, Porto, Sintra, Cascais...) fora a gota de água, mas os dois últimos anos tinham sido particularmente desgastantes, política e pessoalmente: dois orçamentos de Estado aprovados com recurso ao deputado do CDS de Ponte de Lima, Daniel Campelo; dossiês controversos (e reveladores de profundas divisões no Executivo) como o da taxa da alcoolemia; a morte da mulher, Luísa, mãe dos seus dois filhos, por doença que há muito a vinha debilitando.

Só tinham passado seis anos desde que conquistara, ainda que sem maioria absoluta, uma saborosa vitória para o PS nas legislativas, pondo cobro a dez anos de governos PSD. Empurrado pelos novos ventos da Terceira Via de Tony Blair, Guterres fizera-se eleger como uma espécie de anti-Cavaco, garantindo que "razão e coração" podem coexistir, que as "pessoas não são números", que é possível ter "paixão pela educação". Os primeiros anos corresponderam ao entusiasmo e à esperança da campanha eleitoral, foram os anos do Rendimento Mínimo Garantido, da Expo 98, da estratégia de Lisboa, da luta pela independência de Timor-leste, com o então primeiro-ministro a fazer-se valer das suas melhores capacidades diplomáticas - já então bem evidentes - junto da Casa Branca para conseguir evitar o massacre do povo timorense pelas tropas indonésias na sequência do referendo que dera a vitória ao sim (à independência), em setembro de 1999.

ACNUR: um valioso cartão de visita

Depois de deixar a política nacional, em dezembro de 2001, novamente casado (com a que fora sua secretária de Estado da Cultura, Catarina Vaz Pinto), voltou ao voluntariado, deu explicações de matemática num bairro problemático de Lisboa. Em 2005 assumiu funções como Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), cargo que ocupou durante dez anos e que lhe permitiu percorrer várias vezes o mundo e conhecer em larga escala os problemas que hoje afetam o planeta, e a muitos dos quais aquela organização internacional já não consegue responder - criada há 61 anos, está anquilosada quanto baste.

Não é por acaso que, num debate com Durão Barroso, já este ano, Guterres focou precisamente que devido às transformações do mundo, a ONU precisa de inovar e mudar. Encontrar o equilíbrio e o consenso para uma reforma não será tarefa fácil, reconheceu.

Simultaneamente, o tempo em que esteve à frente da ACNUR deu-lhe acesso ao mundo das Nações Unidas e a experiência concreta na gestão de uma agência desta organização, que conta com mais de 10 mil funcionários em 125 países. Conseguiu promover a sua reforma, reduzindo em 20% o pessoal na sede, em Genebra, e triplicando o volume de atividades no organismo, de modo a poder responder ao número crescente de refugiados. Esse trabalho serviu-lhe agora como um “cartão de visita” imprescindível.

Há ano e meio, assumiu o que para ele já era então óbvio: que não queria candidatar-se ao cargo de Presidente da República, que o PS ( e talvez o país) lhe oferecia de bandeja. Tinha outra ambição: a de ser secretário-geral das Nações Unidas. Sabia o que estava a fazer, e teve tempo para amadurecer a sua posição. Mesmo estando “na pior posição possível”, como disse ao Expresso, ser homem e não ser oriundo da Europa do Leste – os dois critérios que em princípio estavam em cima da mesa da eleição - arriscou um desafio que à partida parecia impossível. Não mudou essas circunstâncias, mas venceu pelo mérito e, diga-se de passagem, pela transparência do novo processo, que retirou margem a manobras de última hora e à porta fechada. Tem agora a melhor oportunidade da sua vida para por em prática o que de há muito definiu como o seu principal objetivo: "Não está em causa para nenhum de nós, a não ser que se seja megalómano, querer salvar a humanidade. Mas é muito importante fazer coisas que ajudem pessoas, pessoas concretas, a ter uma vida melhor".