Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ferreira Leite: Se o Governo aprovou perdão fiscal foi com o “objetivo de gerar riqueza”

  • 333

A antiga ministra das Finanças criticou o Executivo, dizendo que este “se esqueceu que as famílias e as empresas estavam endividadas e que o dinheiro que receberam a mais serviu para amortizarem as suas dívidas”

Manuela Ferreira Leite, questionada sobre o programa excepcional para a regularização das dívidas ao Fisco e à Segurança Social aprovado em Conselho de Ministros, referiu que se o atual Governo está a tomar esta medida é com o objetivo de gerar riqueza, tal “como o Governo anterior também fez”. Na noite desta quinta-feira na TVI24, disse que concorda que a medida é importante para aliviar a situação das empresas e gerar crescimento ao perdoar ou reduzir juros.

Em relação ao crescimento da economia em Portugal, a antiga ministra das Finanças sublinhou que o atual Governo assegurou que o crescimento seria feito através do consumo devido a um maior poder económico, porém criticou que o Executivo "se esqueceu que as famílias e as empresas estavam endividadas e que o dinheiro que receberam a mais serviu para amortizarem as suas dívidas".

Ferreira Leite admitiu que o estudo do ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar, publicado no blogue do Fundo Monetário Internacional (FMI), a deixou "absolutamente perplexa" porque se "chegou à conclusão que o mundo está para falir e que não há para onde fugir". Por outro lado, como afirma, "não há nenhuma instituição que esteja a tentar resolver este problema".

O estudo, intitulado “Big Bad Actors: A Global View of Debt”, concluiu que a dívida mundial é o dobro da dimensão da economia mundial. No entanto, Ferreira Leite entende que este estudo "tem de ter qualquer tipo de proposta" e adverte que, na sua opinião, "é tempo de instituições desta natureza pensarem quais os objetivos de lançar estudos como este".

Para Ferreira Leite, não é novidade que "a dívida é um travão no crescimento" e que é necessário combater o problema da estagnação, mas que as instituições não revelam propostas concretas que visem solucionar esta questão.