Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

É oficial: Guterres aclamado secretário-geral da ONU

  • 333

TOSHIFUMI KITAMURA / AFP / Getty Images

António Guterres vai ser o novo secretário-geral da ONU. Candidato português foi aprovado por aclamação, após ter contado com 13 votos a favor dos membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas

É oficial. António Guterres é o novo secretário-geral das Nações Unidas, após a votação formal dos 15 membros do Conselho de Segurança que decorreu esta tarde em Nova Iorque. Tal como se esperava, o candidato foi aprovado por aclamação. A Assembleia-geral da ONU deverá reunir-se na próxima semana para confirmar a escolha.

“O mais importante de tudo foi o sentido de unidade do Conselho”, afirmou o embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, em conferência de imprensa, destacando a escolha inequívoca de Guterres para o cargo.

Vitaly Churkin defendeu que Guterres é uma “ótima escolha”, um homem “muito empenhado e inteligente”, cujas qualidades são reconhecidas pelos vários membros do Conselho (ACNUR). “O engenheiro Guterres foi Alto Comissário da ONU para os Refugiados, o que lhe permitiu ver muitas coisas horríveis. Foi primeiro-ministro do seu país. É um político de alto nível”, acrescentou.

António Guterres contou com 13 votos a favor, zero de desencorajamento e dois sem opinião numa votação informal que decorreu quarta-feira. Após essa votação, Vitaly Churkin declarou que Guterres era o “claro favorito”, enquanto a concorrente búlgara Kristalina Georgieva deu logo os parabéns ao português.

Aos 67 anos, Guterres vai liderar o organismo que é responsável pela manutenção da paz no mundo, desde a sua fundação, em 1945. O ex-primeiro ministro português tem recebido felicitações de várias personalidades como o seu antecessor Ban ki-Moon, e o presidente da Comissão Europeia, Jean Claude-Juncker.

Foi na sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros que Guterres assistiu à votação formal – às 15h (10h locais) – e que irá prestar uma declaração às 17h, tendo contado com o apoio do Governo e do Chefe de Estado desde que formalizou a sua candidatura a 29 de fevereiro.