Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Aviões americanos atrasam partida de PM chinês nas Lajes: coincidência ou demonstração de força?

  • 333

tiago miranda

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, acabou por ficar em Portugal mais tempo do que o previsto - e a culpa foi dos americanos. A descolagem do avião chinês foi atrasada por uma aterragem de aviões do tio Sam. Coincidência ou demonstração de força?

Cátia Bruno

Cátia Bruno

Jornalista

Carlos Abreu

Jornalista

Esta terça-feira teria sido mais um dia normal na base das Lajes, não fosse o facto de o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, estar de passagem. A sua visita surgiu a propósito de uma escala de dois dias, onde Keqiang e o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, tiveram um breve encontro, com o objetivo de preparar a visita de António Costa à China, que se realiza de 8 a 12 de outubro.

A visita decorreu com tranquilidade, mas a partida do avião da Air China, quando se preparava para a descolagem, acabou por ser atrasada. As imagens vídeo divulgadas pelo professor de Segurança Internacional na Universidade Católica Portuguesa, Miguel Monjardino, a que o Expresso teve acesso, mostram que o avião de Keqiang teve de esperar, para dar prioridade à aterragem de seis aeronaves norte-americanas EA-6B Prowler. Estas vinham acompanhadas por duas aeronaves de apoio logístico (um Boeing C17 norte-americano e um Airbus CC150 do Canadá) e teriam como destino final o Médio Oriente.

Coincidência ou um recado deliberado ao líder chinês? É difícil saber ao certo. Contactado pelo Expresso, o porta-voz da Força Aérea Portuguesa, Rui Roque, limitou-se a confirmar que estas operações estão “dentro da normalidade”. Já para Monjardino, esta é uma ação “carregada de enorme simbolismo”.

O Expresso sabe que, fruto do acordo celebrado com os Estados Unidos a propósito da gestão da base das Lajes, os voos das aeronaves norte-americanas são sempre tacitamente autorizados, desde que apresentados os respetivos planos. Ou seja, os aviões norte-americanos têm geralmente autorização para aterrar, embora não tenham obrigação de fazer um pedido formal às autoridades portuguesas, limitando-se apenas a informá-las.

Demonstração de força?

Um antigo piloto militar que cumpriu diversos destacamentos na Base das Lajes assegurou ao Expresso que os aviões norte-americanos efetuaram o circuito normal de aterragem. “Os aparelhos sobrevoam sempre a pista em formação antes de aterrarem, saindo para o lado do mar, como se vê no vídeo.” Segundo a mesma fonte, tratando-se de três parelhas, é uma operação que ainda leva algum tempo a concluir e que, respeitando as regras de segurança aeronáutica, nunca deverá ser interrompida pela descolagem de uma outra aeronave.

Ainda que, pela análise das imagens vídeo, tudo indique que estejamos perante o procedimento normal para este tipo de situações, este antigo piloto não exclui a possibilidade de estarmos perante uma “demonstração de força” norte-americana que, por ter a seu cargo as infraestruturas das Lajes, jamais poderia desconhecer o plano de voo do Boeing que transportava o primeiro-ministro chinês, e que esta terça-feira fez escala na ilha açoriana.

Um antigo piloto militar que cumpriu diversos destacamentos na Base das Lajes assegurou ao Expresso que os aviões norte-americanos efetuaram o circuito normal de aterragem

É essa a opinião de Miguel Monjardino: “O timing da aterragem é o mais preciso possível, do ponto de vista político”, explica. Para o especialista em relações internacionais, a atitude dos norte-americanos não acontece por mero acaso e reveste-se de enorme simbolismo político, sobretudo tendo em conta a tensão que se tem registado entre Pequim e Washington em zonas como o mar do Sul da China. “Há aqui recados para todos os lados.”

Influência chinesa no Atlântico

Ultimamente, os EUA têm reduzido a sua presença militar nas Lajes - o que já levou a avisos como o do antigo representante do Pentágono Michael Rubin, que em 2015 alertou para a possibilidade de “um ponto de apoio” chinês no Atlântico, o que representaria um dos “sonhos mais loucos de Pequim”, segundo o especialista. Ainda esta semana, o congressista norte-americano Devin Nunes alertou por carta o secretário da Defesa norte-americano para o que considera ser a tentativa de estabelecimento de “um ponto de apoio nos Açores” por parte da China. O lusodescendente garantia na mesma missiva que a visita do primeiro-ministro chinês à Terceira foi precedida de uma delegação de 20 representantes chineses, todos fluentes em português.

Monjardino realça também que esta é a terceira visita de um dirigente chinês à ilha nos últimos quatro anos: em 2012, o primeiro-ministro chinês à altura, Wen Jiabao, fez uma escala técnica de cinco horas na ilha; em 2014, foi a vez do Presidente Xi Jinping fazer uma escala, na viagem entre o Chile e a China.

Se o interesse chinês parece cada vez mais claro, falta perceber se os EUA terão aproveitado uma escala de aviões militares para enviar um aviso a Pequim ou se tudo não passou de uma coincidência. Pelo meio, está Portugal. Uma fonte do ministério dos Negócios Estrangeiros português confirmou esta quarta-feira à revista “Sábado” que Portugal não mantém quaisquer negociações sobre a base das Lajes com outro país que não os Estados Unidos. Contudo, mantém-se no ar a hipótese de a China estar interessada em utilizar o porto da Praia da Vitória, anexo à base aérea, como plataforma logística.

“Isto simboliza muito bem a ambiguidade dos países que ocupam territórios apetecíveis do ponto de vista estratégico - neste caso, a ambiguidade de Portugal”, analisa Monjardino. Já Raquel Vaz-Pinto, do Instituto Português de Relações Internacionais, disse esta semana ao site Politico ser difícil compreender “qual seria o interesse português” em permitir um avanço da China no Atlântico, mas avançou uma hipótese: “pode ser usado como moeda de troca, para fazer os EUA olharem para os Açores e para esta base com um interesse renovado”, declarou.