Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Guterres e a candidatura de Georgieva à ONU: “No comments”

  • 333

TOSHIFUMI KITAMURA / AFP / Getty Images

Candidato de Portugal ao cargo de secretário-geral da ONU não quer abordar a troca de Irina Bokova por Kristalina Georgieva

O candidato a secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) António Guterres não quis comentar a nova candidatura a este cargo por parte de Kristalina Georgieva. Abordado pelos jornalistas durante uma homenagem à antiga presidente da Cruz Vermelha Portuguesa Maria Barroso, que decorreu esta manhã no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, o antigo primeiro-ministro e ex-alto comissário das Nações Unidas para os refugiados fez sinal de que não tencionava falar nesta ocasião.

À saída, questionado diretamente sobre a candidatura de Kristalina Georgieva, António Guterres respondeu, em inglês, que não iria fazer comentários: "No comments".

António Guterres, candidato apoiado por Portugal ao cargo de secretário-geral da ONU, venceu as primeiras cinco votações secretas para este cargo realizadas entre os membros do Conselho de Segurança desta organização.

Esta manhã, o primeiro-ministro da Bulgária Boiko Borissov anunciou que o Governo búlgaro mudou a sua candidata ao cargo de secretário-geral da ONU, substituindo Irina Bokova por Kristalina Georgieva.

Numa reação a esta nova candidatura nesta fase do processo, o ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva disse ver "com serenidade" a entrada na corrida de Kristalina Georgieva e salientou que a altura e a forma como a candidatura de Guterres foi apresentada.

"Apresentámos a candidatura do engenheiro António Guterres no fim do mês de fevereiro. Fizemo-lo a tempo, com toda a transparência e de forma a que António Guterres fosse sujeito a todas as provas e passos que o processo de seleção a secretário-geral das Nações Unidas hoje exige", afirmou Augusto Santos Silva à agência Lusa.

Maria de Jesus Barroso, fundadora do PS e mulher de Mário Soares, presidiu à Cruz Vermelha Portuguesa entre 1997 e 2003. Foi a única mulher presidente desta instituição. Morreu a 7 de julho de 2015, com 90 anos, no Hospital da Cruz Vermelha, onde foi homenageada.

Esta cerimónia de homenagem contou com a participação do chefe de Estado Marcelo Rebelo de Sousa e com a presença do antigo Presidente da República Mário Soares.