Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ministro da Saúde avisa sindicatos de que “há trabalhos que são para uma legislatura”

  • 333

MÁRIO CRUZ / Lusa

“Seria absolutamente irresponsável que num ano, que é o mais vulnerável e mais crítico deste tempo legislativo, resolvêssemos a correr e à pressa todas as questões que correspondem a expectativas legítimas de profissionais”, afirma Adalberto Campos Fernandes

O ministro da Saúde avisa os sindicatos de que há trabalhos de requalificação e revalidação de carreiras que são tarefas para uma legislatura, considerando que seria irresponsável "resolver a correr e à pressa" as questões exigidas pelos profissionais.

"Há trabalhos de requalificação e de revalidação de carreiras que são trabalhos para uma legislatura. Seria absolutamente irresponsável que num ano, que é o mais vulnerável e mais crítico deste tempo legislativo, resolvêssemos a correr e à pressa todas as questões que correspondem a expectativas legítimas de profissionais", afirmou o ministro durante a comissão parlamentar de Saúde, que decorre esta terça-feira na Assembleia da República.

Adalberto Campos Fernandes proferiu estas declarações depois de ter sido questionado por vários deputados sobre a reposição das 35 horas e sobre a expectativas dos sindicatos do sector para resolver vários problemas.

Esta segunda-feira, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses anunciou uma greve nos dias 13 e 14 de outubro para exigir a reposição das 35 horas de trabalho semanais a todos os profissionais e para reivindicar a reposição do valor total das horas de qualidade e das horas extraordinárias.

"São trabalhos de uma legislatura que têm de ser geridos no quadro da legislatura e no quadro da responsabilidade orçamental", acrescentou o ministro, referindo-se a matérias de reivindicação sindical.

Adalberto Campos Fernandes sublinhou que 2016 tem sido um ano de reforço dos recursos humanos, mas que as contratações têm de ser feitas "num quadro de responsabilidade orçamental".

  • Saúde com quase mais 4000 profissionais

    Cerca de mais mil médicos e de mais 1600 enfermeiros encontram-se entre o reforço de trabalhadores do Serviço Nacional de Saúde ocorrido no último ano, segundo nos números indicados pelo ministro da Saúde