Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Caso Barroso. Bruxelas diz que assunto não é para ser tratado com Costa

  • 333

Comissão Europeia pede libertação "imediata" às cinco mulheres detidas no início do mês de março

FOTO Carl Court/Getty Images

Primeiro-ministro pediu esclarecimentos ao Presidente da Comissão Europeia sobre o caso Barroso durante a Cimeira de Bratislava. Mas Bruxelas diz que este não é um assunto para ser tratado com o António Costa, mas com Durão Barroso diretamente

António Costa saiu em defesa de Durão Barroso e no passado dia 16 de setembro, durante a Cimeira de Bratislava, na Eslováquia, avançou com um pedido de esclarecimentos a Jean-Claude Juncker sobre o tratamento que a Comissão Europeia estava a dar ao ex-Presidente do executivo comunitário.

“Pedi esclarecimentos sobre a decisão tomada relativamente ao Dr. Durão Barroso, comparativamente a outros antigos membros da Comissão”, disse o primeiro-ministro, adiantando que era “necessário assegurar e garantir que nenhum português é objeto de qualquer tipo de atitude discriminatória”.

Quanto à resposta, Costa explicava que o Presidente ficou de lhe enviar uma, “por escrito”, esclarecendo os critérios que determinaram a decisão de pedir a Barroso o contrato com o Goldman Sachs e de tratá-lo em Bruxelas como um representante de interesses (lobista) e não com um ex-Presidente.

No entanto, os esclarecimento pedidos ainda não chegaram ao gabinete do primeiro-ministro. Questionada sobre quando pretende enviar uma carta a Costa, a Comissão respondeu que “não há nenhuma carta”.

Uma porta-voz da Comissão vai ainda mais longe e esclarece: “este não é um assunto para ser tratado entre o primeiro-ministro português e o Presidente da Comissão, mas entre a Comissão Europeia e o Sr. Barroso diretamente”, algo que Bruxelas já começou a fazer.

A Comissão Europeia pediu ao ex-Presidente mais detalhes sobre as novas funções no Goldman Sachs, que serão analisadas pelo Comité de Ética. Bruxelas terá agora de dizer se há ou não incompatibilidades entre o novo emprego de Durão Barroso e as regras dos tratado, que exigem aos ex-membros do executivo que se comportem com integridade e discrição, mesmo depois de terminarem funções.