Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Cristas: “O país precisa de saber se vai ou não haver um novo imposto”

  • 333

Assunção Cristas esteve esta terça-feira a visitar as zonas afetadas pelos incêndios

HOMEM DE GOUVEIA/ Lusa

Líder do CDS considera que António Costa “veio, aparentemente, pôr ordem na casa, mandando o BE estar calado”, embora esse reparo seja “tardio”

A presidente do CDS disse esta terça-feira que Portugal precisa de saber "se vai ou não haver um novo imposto" sobre o património imobiliário. Assunção Cristas considera que é necessário um esclarecimento para tranquilidade das famílias e de quem quer investir e poupar.

A dirigente do CDS afirmou que o primeiro-ministro, António Costa, "veio aparentemente pôr ordem na casa, mandando o BE estar calado" mas considerou que esse reparo é "tardio e sobretudo não é suficiente".

"O país precisa de saber, para tranquilidade das famílias, para tranquilidade de quem quer investir, para tranquilidade de quem quer manter o seu dinheiro em Portugal, para tranquilidade de quem quer atrair investimento para o país, se vai ou não haver um novo imposto", comentou Assunção Cristas à margem da visita que efetuou às zonas afetadas pelos incêndios de agosto no Funchal.

Para a líder do CDS, o primeiro-ministro tem de ser "muito claro nesta matéria". "Tem de dizer a todos os portugueses se concorda, se alinha com a estratégia das esquerdas mais radicais que, no fundo, querem fazer um combate à riqueza e não um combate à pobreza", disse.

Ao lembrar que aquilo que Portugal precisa é "um efetivo combate à pobreza", Assunção Cristas realçou que para isso é preciso investimento, crescimento económico e criação de emprego.

"Nós não olhamos para previsões, olhamos para resultados e os resultados, de facto, são muito preocupantes. Não vemos crescimento económico a acontecer; não vemos criação de emprego sustentável a acontecer e vemos inquietude e intranquilidade com estas ameaças de novos impostos", disse.

Assunção Cristas defende, por isso, que o país precisa de saber se o PS e o primeiro-ministro estão "com o BE e com esta radicalização de agenda" ou se estão "com aqueles que estão do lado do progresso, do investimento e da poupança".

A dirigente nacional do CDS reiterou que o partido estará "muito atento na verificação do cumprimento dos compromissos" que o Governo da República assumiu para com a Madeira no âmbito da política de reconstrução e reabilitação da cidade do Funchal após os incêndios da segunda semana de agosto que provocaram três mortos, um ferido grave, destruição, parcial ou total, em 300 habitações e prejuízos na ordem dos 157 milhões de euros.

Questionada sobre o facto de alegadamente o Orçamento do Estado para 2017 não contemplar ainda verba para a construção do novo hospital do Funchal avaliado em 340 milhões de euros, Assunção Cristas disse não poder ainda responder a esta questão mas salientou que a questão, agora, era o primeiro-ministro cumprir "a palavra que foi dada" de que haverá uma partilha de recursos financeiros no âmbito de um projeto de interesse comum.

Confrontada ainda com uma notícia de segunda-feira do jornal espanhol ABC e replicada hoje no Diário de Notícias da Madeira e no Público em que declara que as ilhas Selvagens são uma "base" portuguesa "numa ilha rodeada por águas espanholas", Assunção Cristas desvaloriza lembrando ser um "debate antigo" que "de quando em vez é trazido à baila" e deposita a sua confiança de que "em tempo oportuno, os dois países serão capazes de um bom entendimento".