Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo não fala de Mariana

  • 333

NUNO VEIGA / LUSA

Presidente diz que só fala de Orçamento depois do documento estar votado. E das declarações de Mariana Mortágua? “Não é o momento para as comentar”

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

em Nova Iorque

Subdiretor da SIC

Em viagem para os Estados Unidos onde participa na assembleia geral das Nações Unidas, Marcelo Rebelo de Sousa recusou pronunciar-se sobre questões de política interna.

Nem sobre o novo imposto, nem sobre as declarações de Mariana Mortágua, nem mesmo sobre o acesso do fisco às contas bancárias. Marcelo não fala, "primeiro porque estamos em trânsito para território estrangeiro, e segundo porque em matéria orçamental há um princípio que todos os Presidentes têm adotado e que me parece inteligente que é: nesta fase, que é a fase final de preparação do Orçamento do Estado, e depois na fase de debate do OE, o Presidente da República deve silenciar para estar de mãos livres para analisar o documento que vier a ser votado. "

Razões que o levam a dizer que "não gostava de comentar neste momento" as declarações de Mariana Mortágua. A dirigente do BE disse numa conferência do PS em Coimbra, este fim de semana, que "a primeira coisa que temos de fazer é perder a vergonha de ir buscar dinheiro a quem está a acumular dinheiro”.

O Presidente, que ainda não se referiu diretamente ao novo imposto, disse na sexta-feira que é preciso "resistir ao erro de afugentar investimento com medidas aparentemente sedutoras para o rigor ou emblemáticas para preocupação social, mas negativas no conteúdo ou na forma para a visão dos investidores, é um exercício difícil”.

Sobre o diploma relacionado com o acesso do fisco aos dados bancários, Marcelo, que já sinalizou não concordar com a medida, explica que só se pronuncia sobre diplomas que recebe, "em relação a diplomas que ainda não recebi não me pronuncio." E nada mais quis acrescentar.

  • Probabilidade de candidatura de última hora à ONU “é muito baixa”, diz Marcelo

    Presidente da República está em Nova Iorque onde participa na assembleia geral das Nações Unidas. Objetivo principal: usar toda a sua influência – Jorge Sampaio também integra a comitiva – a favor da eleição de António Guterres. Marcelo diz que em teoria pode aparecer um novo candidato, mas “seria estranho e a probabilidade é muito baixa”