Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD sonda Isaltino para Oeiras

  • 333

Isaltino Morais não releva se será recandidato a Oeiras, mas tem mantido contactos regulares com apoiantes

António Pedro Ferreira

Coordenador autárquico Carlos Carreiras falou com ex-autarca. Hipótese de apoio na assembleia municipal foi ponderada

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

Carlos Carreiras, coordenador autárquico do PSD, encontrou-se com Isaltino Morais, antigo barão do partido e ex-presidente da Câmara Municipal de Oeiras, e sondou-o sobre a possibilidade de ser o candidato dos sociais-democratas à assembleia municipal daquela autarquia, integrado numa lista laranja ao município. Ao que o Expresso apurou, foi um contacto informal, para apurar as intenções do ex-autarca e medir a possibilidade de um entendimento que permitisse aos sociais-democratas recuperar a câmara.

Isaltino Morais não terá aberto o jogo sobre o que pretende fazer sendo, porém, certo que está apostado em afastar da presidência Paulo Vistas, seu ex-correligionário no movimento independente “Isaltino — Oeiras Mais à Frente”. Em 2013, quando Isaltino Morais estava preso por branqueamento de capitais e fraude fiscal, Vistas encabeçou o movimento de cidadãos e assegurou a presidência da autarquia. Porém, os ex-aliados acabaram por se desentender. Isaltino tem mantido o tabu sobre o que fará e em julho disse ao “DN” que era “muito cedo para qualquer pronunciamento” — mas tem mantido contactos com o seu círculo de apoiantes.

O PSD tem ponderado a possibilidade de apoiar Paulo Vistas — que tem um acordo com os vereadores sociais-democratas —, mas essa pode ser uma aposta condenada se Isaltino avançar, pois o ex-presidente é tido como imbatível no concelho.

Foi neste contexto que o coordenador autárquico dos sociais-democratas abordou Isaltino, com quem tem boas relações pessoais. Carreiras, sabe o Expresso, veria com bons olhos a possibilidade de um entendimento com o antigo “autarca modelo” do PSD, desde que este não fosse o candidato à presidência da autarquia nem tivesse poderes executivos. Mas as hipóteses de acordo são vistas no PSD como remotas.

“Mesmo que o PSD reconquistasse a câmara, isso traria um desgaste muito grande. Iria focar todas as atenções neste caso”, diz ao Expresso um social-democrata que está a par do processo. E no partido levantam-se dúvidas sobre se Passos Coelho daria luz verde a essa reaproximação. Em 2005, quando Passos era vice-presidente do PSD, Marques Mendes tirou o apoio ao autarca, por causa das suspeitas de que era alvo. Depois desse divórcio, e apesar das acusações que pendiam sobre si, Isaltino reconquistou Oeiras como independente em 2005 e 2009.