Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Juncker e o novo emprego de Barroso: “Ir para um banco privado sim, para o Goldman Sachs não!”

  • 333

GERARD JULIEN / AFP/ Getty Images

O presidente da Comissão Europeia recorda que já em julho tinha dito que a contratação pelo banco americano do seu antecessor no cargo representava um problema para si, apontando o papel do Goldman Sachs na crise financeira em 2008

O presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker recordou esta quinta-feira ter dito em julho que "não haveria problema" se José Manuel Durão Barroso assumisse uma posição num banco privado, mas "não no Goldman Sachs".

Juncker respondia às perguntas de três jovens "YouTubers" numa entrevista organizada conjuntamente com a cadeia de televisão Euronews. O chefe do executivo comunitário recordou que em julho declarou que a contratação de Barroso, o seu antecessor na Comissão, pelo Goldman Sachs representava um problema para si, apontando o papel do banco norte-americano na crise dos "subprimes" em 2008.

"Que é que eu disse? Disse, e repito-o: não tenho problemas que ele assuma uma função num banco privado, mas nesse não!", disse Juncker, recordando declarações ao jornal belga "Le Soir".

De facto, no "Le Soir" de 30 de julho surgem declarações de Juncker sobre o tema: "O facto de Barroso trabalhar para um banco não me chateia demasiado. Mas para esse [o Goldman Sachs], já tenho problemas com isso".

"É uma iniciativa individual e ele respeitou as regras. Mas uma pessoa precisa de escolher o seu empregador", realçou na altura.

Juncker explicou aos seus entrevistadores o problema com o Goldman Sachs: "Porque foi uma das entidades que contribuíram, sabendo ou não sabendo, para o nascimento de uma crise financeira e económica enorme no decorrer dos anos de 2007, 2008 e 2009".

O chefe do executivo comunitário aludia assim à crise dos créditos "subprimes", os créditos hipotecários de alto risco vendidos por algumas entidades financeiras norte-americanas.

"Então comecei a questionar-me sobre a identidade da porta à qual ele se dirigia", disse Jucnker, sublinhando – no entanto – que Durão Barroso é "um tipo honesto". "É um amigo", vincou.

A contratação de Durão Barroso, anunciada a 8 de julho pela Goldman Sachs, levantou uma onda de polémica e indignação, materializada em petições de cidadãos europeus e funcionários comunitários.

Em meados de julho o Presidente francês François Hollande qualificou a mudança de cargo de Barroso como "moralmente inaceitável".

Mas durante dois meses a Comissão Europeia – que Barroso dirigiu de 2004 a 2014 – não viu qualquer má-conduta, recordando que o português tinha respeitado o código de ética dos comissários europeus ao esperar 18 meses, após cessar funções comunitárias, antes de aceitar um cargo num empregador privado.

Face às críticas que caíram sobre ele, Juncker pediu esta semana uma clarificação sobre os termos do contrato de trabalho com o banco americano. Também se ficou a saber que a Comissão pretende receber Barroso como um simples lobista e não com honras de ex-presidente do executivo comunitário.

Durão Barroso passou ao contra-ataque, acusando a UE de o discriminar.

  • Como tornar um político num produto tóxico

    Atacado em várias frentes por ter aceitado ir trabalhar para o Goldman Sachs, Durão Barroso quebrou esta terça-feira o silêncio: numa carta inicialmente citada pelo “Financial Times” e à qual o Expresso teve entretanto acesso, acusou a Comissão Europeia de ser “discriminatória” contra si. Mas o coro dos críticos só vai engrossando. A carta pode ser lida na íntegra nesta página

  • Hollande ao lado de Juncker na polémica Barroso

    “Quando sabemos que o Goldman Sachs foi uma das causas das dificuldades com que nos deparámos” com a crise financeira de 2008, “isso justifica um procedimento como o que Jean-Claude Juncker acaba de lançar”, defende o Presidente francês

  • Provedora de Justiça da UE: “Pressão e escrutínio no caso Barroso vão continuar”

    A Provedora de Justiça europeia tem sido um dos elementos de pressão no caso Barroso, que vai deixar de ser recebido como ex-presidente da Comissão Europeia. Emily O’Reilly pediu esclarecimentos à Comissão e esta acabou por pedir a Durão que mostrasse o contrato com o Goldman Sachs. O’Reilly defende que está em causa a confiança dos cidadãos nas instituições europeias e, por isso, tem de ficar claro se no novo emprego Barroso está ou não a violar os tratados. Se estiver, a Comissão pode pedir ao Tribunal de Justiça da UE que suspenda a pensão do ex-presidente