Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Rocha Andrade garante que não tomará decisões sobre empresas da Galp

  • 333

Luís Barra

“Na eventualidade de ser chamado a tomar alguma decisão sobre qualquer empresa da Galp no exercício das minhas funções – algo que ainda não aconteceu até ao momento – o processo será remetido para o Ministério das Finanças”, disse esta manhã o Secretário de Estado, na primeira vez em que falou publicamente sobre a polémica em que se viu envolvido

O secretário do Estado das Finanças, Rocha Andrade, garantiu esta quarta-feira que não irá tomar qualquer decisão sobre empresas do universo da Galp, na sequência da polémica em que se viu envolvido este verão, após ter aceitado um convite da Galp para viajar para França para assistir a um jogo do Euro2016.

"Na eventualidade de ser chamado a tomar alguma decisão sobre qualquer empresa da Galp no exercício das minhas funções - algo que ainda não aconteceu até ao momento - o processo será remetido para a entidade competente, no caso o Ministério das Finanças", disse Rocha Andrade, na primeira vez em que falou publicamente sobre a polémica em que se viu envolvido.

As palavras do secretário do Estado foram proferidas esta quarta-feira de manhã durante uma audição regimental do ministro das Finanças, Mário Centeno, na Comissão de Orçamento e Finanças. E surgiram na sequência de uma pergunta do deputado social-democrata Duarte Pacheco, sobre se Centeno mantinha a confiança em Rocha Andrade.

Centeno não respondeu à pergunta mas passou a palavra ao seu secretário do Estado, que garantiu então que não tomará "nenhuma decisão" sobre o universo empresarial da Galp, que tem um contencioso fiscal na ordem dos 100 milhões de euros com o Estado português.

Na primeira semana de agosto, quando se soube dos convites da Galp, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, anunciou ter retirado competências relacionadas com a Galp ao secretário de Estado da Internacionalização, um dos três governantes que foi ver jogos do Euro 2016 a convite da Galp.

  • Governo encerra polémica Galp com promessa de código de conduta

    As viagens pagas pela Galp ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e a outros dois secretários de Estado levantam questões sobre transparência, ética pública e sobre os limites que devem separar o poder político do poder económico. O Governo já reagiu e diz que não há incompatibilidades (Rocha Andrade, o caso mais polémico, tem sob a sua tutela a resolução de um conflito fiscal milionário que opõe o Estado à Galp) e anuncia que vai criar um código de conduta para este tipo de casos. Pode uma comissão de ética pública e regulação de conflitos de interesses contribuir para a solução? E o que propõem os partidos?

  • Costa valida explicações de Rocha Andrade que negam conflito de interesses

    Gabinete do primeiro-ministro remete explicações para as declarações do próprio secretário de Estado. Rocha Andrade fez duas viagens a França pagas pela Galp para ver dois jogos de Portugal e é o governante que tem sob a sua tutela a resolução de um conflito fiscal milionário que opõe o Estado à petrolífera