Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Barroso acusa Comissão Europeia de “discriminação”. “Alegações são rudimentares e injustas”

  • 333

rui duarte silva

Antigo presidente da Comissão Europeia acusa a instituição que liderou durante dez anos de “discriminação” e “inconsistência” por lhe ter pedido explicações sobre a sua relação contratual com o banco de investimento Goldman Sachs

“Tem-se dito que o mero facto de trabalhar para a Goldman Sachs coloca questões de integridade”, escreve Barroso, atual administrador não-executivo deste banco de investimento norte-americano, na carta à qual o “Financial Times” teve acesso.

“Ainda que aceite que qualquer pessoa tenha direito a formular uma opinião, as regras são claras e devem ser respeitadas. Estas alegações são rudimentares e completamente injustas. São discriminatórias para comigo e a para com o Goldman Sachs”, acrescenta Barroso.

“Ainda que, por princípio, não tenha qualquer tipo de objeção à constituição de uma comissão de ética, não posso aceitar que já tenha sido feito um juízo sobre a minha atual situação profissional. Se assim for, gostaria de perceber como é que chegaram a esse juízo, por quem e a que níveis”, questiona ainda o antigo primeiro-ministro português, para logo acrescentar: “Para além de discriminatórias, estas iniciativas parecem ser inconsistentes em relação a decisões relativas a antigos membros da Comissão.”

De acordo com o seu código de conduta, os antigos comissários europeus são obrigados a notificar formalmente a Comissão Europeia caso, até 18 meses depois de terem cessado funções, aceitarem novos desafios profissionais. Nesses casos, pode a comissão constituir comissões de ética para analisar a situação. No caso de Barroso, a contratação pelo Goldman Sachs só aconteceu 20 meses depois de ter deixado o lugar que agora pertence a Jean-Claude Juncker.

No fim de semana, o atual presidente da Comissão Europeia disse que tinha decidido submeter a uma comissão de ética a contratação de Durão Barroso pelo Goldman Sachs.

A iniciativa de Jean-Claude Juncker acontece numa altura em que, uma petição lançada em julho por funcionários das instituições europeias, dias depois do anúncio da contratação de Durão Barroso, já tinha sido assinada por quase 140 mil pessoas.

"Em nosso nome, não!" é o título da petição, aberta a todos os cidadãos europeus até ao fim de setembro, para pedir "fortes medidas exemplares" contra Durão Barroso, "cujo comportamento desonra os funcionários europeus e a União Europeia".

  • Provedora de Justiça da UE: “Pressão e escrutínio no caso Barroso vão continuar”

    A Provedora de Justiça europeia tem sido um dos elementos de pressão no caso Barroso, que vai deixar de ser recebido como ex-presidente da Comissão Europeia. Emily O’Reilly pediu esclarecimentos à Comissão e esta acabou por pedir a Durão que mostrasse o contrato com o Goldman Sachs. O’Reilly defende que está em causa a confiança dos cidadãos nas instituições europeias e, por isso, tem de ficar claro se no novo emprego Barroso está ou não a violar os tratados. Se estiver, a Comissão pode pedir ao Tribunal de Justiça da UE que suspenda a pensão do ex-presidente

  • Hollande ao lado de Juncker na polémica Barroso

    “Quando sabemos que o Goldman Sachs foi uma das causas das dificuldades com que nos deparámos” com a crise financeira de 2008, “isso justifica um procedimento como o que Jean-Claude Juncker acaba de lançar”, defende o Presidente francês