Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Cristas desafia PS a gerar consensos em matéria de Educação

  • 333

A presidente do CDS-PP fez um apelo, para que sejam postas de parte as divergências e se procure convergência em aspetos fundamentais

A presidente do CDS-PP desafiou hoje o PS a "mostrar" que quer gerar consensos e estabilidade "numa área tão importante como é a educação", pondo de parte as divergências e procurando convergência em aspetos fundamentais.

Assunção Cristas, que esta quinta-feira visitou a Agroglobal, Feira das Grandes Culturas, em Porto de Muge (Cartaxo), falava sobre a proposta de revisão da Lei de Bases da Educação que o partido apresentou na quarta-feira em conferência de imprensa, com agendamento potestativo para 06 de outubro, e que propõe, nomeadamente, apenas dois ciclos de seis anos na escolaridade obrigatória.

"É muito importante que haja estabilidade no ensino", afirmou a líder centrista, admitindo que esta é uma área com "pontos de divergência", mas onde é preciso encontrar pontos de "convergência e de estabilidade".

As propostas apresentadas pelo CDS "visam gerar um consenso no que diz respeito por exemplo aos ciclos de estudo, ao calendário escolar, à avaliação dos alunos", declarou, lamentando que no passado recente não tenha sido possível chegar a acordo noutras propostas, em matéria de natalidade, do envelhecimento ou da Segurança Social, que acabaram chumbadas no parlamento.

Para o conjunto de "medidas importantes na área da educação" agora apresentado, o CDS-PP apela e desafia o Partido Socialista a "mostrar que também quer gerar consensos, também quer estabilidade", pondo de parte as muitas áreas em que há divergência, "mas procurando convergência em alguns aspetos fundamentais", tanto no pré-escolar como na criação nos dois ciclos de ensino obrigatório, disse.

"São pontos muito importantes para podermos progredir, dando estabilidade aos alunos, às famílias, e sabendo que a educação é talvez o ponto mais importante para o progresso de uma sociedade", declarou.

Além de seis anos de estabilidade em termos de legislação sobre educação, a proposta inclui a universalização da oferta do ensino pré-escolar a partir dos três anos de idade e sua obrigatoriedade aos cinco, aproveitando a oferta pública mas também a existente a nível das instituições de solidariedade social e dos privados.

Questionada sobre o calendário do CDS para as eleições autárquicas que se realizam no próximo ano, Assunção Cristas reafirmou que "este é o tempo para a reflexão tranquila" no seio das estruturas do partido, considerando "natural" a existência de "conversas" com o PSD sobre esta matéria.