Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

CDS sugere que partidos passem a pagar IMI

  • 333

Assunção Cristas critica "cegueira ideológica" do Governo, acusando-o de querer subir o IMI para a Igreja

Helena Pereira

Helena Pereira

Editora de Política

O CDS sugere ao Governo acabar com as isenções de Imposto Municipal sobre os Imóveis (IMI) dos prédios dos partidos em vez de tentar cobrar mais imposto à Igreja ou às famílias que tenham casas com exposição solar privilegiada.

"Como não lhe bastava querer tributar o sol e as vistas, vem agora, desrespeitando a Concordata entre a Santa Sé e o Estado Português, tributar conventos, salas de catequese, e até casas mandadas construir para alojar pessoas sem recursos. A cegueira ideológica e a preferência pela tributação do património está a chegar longe de mais!", escreveu esta tarde a líder do CDS, Assunção Cristas, no Facebook, à hora em que decorria em Fátima uma reunião dos responsáveis pelas finanças das dioceses da Igreja Católica portuguesa. Estes irão articular-se sobre a melhor forma de contestar as notificações que estão a receber para pagar mais IMI de imóveis que, segundo o Ministério das Finanças, perderam em 2004 (com a revisão da Concordata) isenções.

"Definitivamente, o IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) está a tornar-se no imposto de eleição deste Governo", insiste Assunção Cristas, questionando: "E será que a este mesmo Governo já lhe ocorreu tributar o património dos partidos políticos?".

Os cinco maiores partidos políticos têm atualmente 30,2 milhões de euros em imóveis que, pela lei de financiamento partidário, estão isentos de pagamento de IMI.

Na discussão do Orçamento do Estado para 2015, o BE propôs acabar com esta isenção, mas mais nenhum partido concordou.

  • PSD quer explicações sobre cobrança de IMI à Igreja

    “O Governo está a precisar de receitas fiscais, essas receitas podem vir de querer tributar o sol, querer tributar a Igreja, querer tributar amanhã o ar que respiramos, mas têm que estar de acordo com a lei e com os tratados internacionais”, argumentou o deputado social-democrata Duarte Pacheco