Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Nóvoa cria bolsa com lucro das presidenciais. Belém negoceia dívida

  • 333

Tiago Miranda

Edgar Silva ficou a zeros. Paulo Morais, Henrique Neto e Maria de Belém perderam. Os restantes seis lucraram

É sempre bom começar pelas boas notícias. Sampaio da Nóvoa, o candidato presidencial que veio da sociedade civil, fechou as contas da campanha com o maior superavit de todos os dez concorrentes: mais de 80 mil euros de lucro. Ele, que teve a campanha mais cara de todas, arrecadou também a maior subvenção estatal (quase 900 mil euros ), graças ao milhão de votos recolhidos e que serviram para limpar qualquer passivo. O ex-reitor ainda não decidiu o que fazer com o dinheiro. Será “consignado a iniciativas relacionadas com a participação dos cidadãos na sociedade e na política”, disse ao Expresso o seu mandatário financeiro. A criação de uma bolsa de estudo ou de apoio à investigação é uma das hipóteses.

David Xavier não desvenda o destino a dar ao dinheiro. “A sua utilização será objeto de divulgação pública no momento próprio”, afirma, garantindo que o incentivo à participação cívica “cumpre um dos objetivos da campanha” e, assim, “é a maneira mais correta de honrar os princípios de uma candidatura independente, que se baseou na defesa de uma cidadania de proximidade e de participação”.

LUCILIA MONTEIRO

Já Maria de Belém ficou nos antípodas deste balanço. Com as contas fechadas, o défice da campanha eleitoral subiu aos 447 mil euros, segundo os números registados na Entidade das Contas e Financiamentos Políticos. As dívidas ainda não estão saldadas, mas “estamos em negociações com os diferentes fornecedores e está tudo sereno”, diz José Manuel Correia, mandatário financeiro da candidatura. O assunto “está a ser resolvido através da capacidade própria da candidata e de quem se considera com vontade de ajudar”, acrescenta. Porém, não adianta pormenores nem sobre o montante ainda por saldar, nem sobre a identidade de quem vai ajudar Maria de Belém. “Seria deselegante falar sobre isto e a verdade é que não está em causa qualquer financiamento público”, diz.

Henrique Neto foi outro dos grandes perdedores. No final da campanha, o empresário ficou com uma dívida de 180 mil euros, que saldou de imediato. “Fui eu mesmo a pagar, com capital próprio”, disse ao Expresso. “Controlámos as despesas dentro daquilo que era razoável pagar”, a campanha recebeu poucos donativos e as contas finais encaixaram “dentro do que estava à espera”. Apesar do custo financeiro, o balanço da participação política continua positivo. “Seria cobarde não ter feito nada. E a minha consciência ficou tranquila”, diz Henrique Neto.

Marcelo doa, Sequeira embolsa

Prejuízo também teve Paulo Morais. Mas, logo no dia seguinte às eleições, o professor universitário usou o Facebook para fazer um “apelo a donativos” a quem quisesse e pudesse partilhar as dívidas que, na altura, se cifravam em 43 mil euros. No máximo, as contribuições podiam chegar aos 100 euros e foram muitos “a fazer pequenos donativos”, o que quase permitiu pôr o contador a zeros. “Entrei com cerca de 10 mil euros do meu bolso”, diz o candidato. “Assim foi melhor, porque senti o apoio de muita gente”.

Jose Carlos Carvalho

O Presidente eleito participou à Entidade das Contas um superavit de €45 mil, que será doado a uma instituição social no dia em que cumprir um ano de mandato. A escolha ainda não está fechada, disse ao Expresso o assessor de imprensa.

Marcelo Rebelo de Sousa e Sampaio da Nóvoa foram os candidatos que mais lucraram com as presidenciais, com dezenas de milhares de euros de superavit, em grande parte explicadas com a subvenção estatal a que tiveram direito por arrecadarem a grande maioria dos votos. Mas, contas feitas, a campanha correu bem à maioria dos candidatos. Mais quatro — Marisa Matias, Cândido Ferreira, Vitorino Silva e Jorge Sequeira — fecharam o balanço com um lucro, apesar de apenas na casa das centenas de euros.

A eurodeputada bloquista registou na Entidade das Contas um superavit de €589, que seria acertado mais tarde em função do registo de despesas de produção, organização e apoio logístico dados pelo Bloco de Esquerda. “Na realidade, não houve saldo positivo, ficou ela por ela”, disse ao Expresso. Situação semelhante à de Edgar Silva que, apesar de ter tido um desvio de 168 mil euros no orçamento da campanha, contou com o reforço da contribuição do PCP para garantir umas contas finais a zero.

Cândido Ferreira tem um lucro registado de €535, mas contesta o valor e até a competência do Tribunal Constitucional (que integra a Entidade das Contas) para “fiscalizar isto”. O candidato diz que construiu a sua campanha a partir “de duas doações, da minha mulher e da minha filha” e que “a família retirou o dinheiro quando tudo acabou”. O pequeno lucro eleitoral pode resultar “dos três únicos almoços e jantares da campanha que foram oferecidos por amigos”. “O problema é que a Justiça continua a perseguir estas coisinhas, em vez dos grandes rombos da banca”, afirma.

Alberto Frias

“Tino de Rans” fechou as contas com €284 de superavit, mas o candidato acha que não chega a tanto. “Foram dois euros e pouco”, disse ao Expresso, explicando que “há sempre retificações e pequenas alterações” que ainda não estão traduzidas nos números oficiais. Vitorino defende que “os votos mais baratos, foram mesmo os meus e o do Marcelo”, numa campanha onde não houve sede, se “comia em casa de amigos e nem fizemos cartazes, só uns panfletos pequeninos”. Basicamente, os gastos foram para “gasóleo e portagens”. Sobrou pouco, mas “não pedi dinheiro a ninguém”.

Jorge Sequeira ficou com um ganho de €120 no final da campanha mais barata de todas (€6 mil). “Tendo em conta que gastei tudo do meu bolso, o dinheiro que sobrou voltou ao meu bolso”, diz ao Expresso. “Seria fazer flores político-demagógicas dizer que ia doar isto a alguém”, diz. “Não gastei mais, porque mais não tinha. E não gastar mais do que se tem é uma grande mensagem política”, conclui.