Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo: “Enquanto a situação está quente é que se deve pensar”

  • 333

HOMEM DE GOUVEIA/Lusa

Chefe de Estado defende que é preciso uma intervenção a nível governativo relativamente aos incêndios e refere que a missão de António Costa na Madeira “não é só solidariedade, é executiva”

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira quemissão do primeiro-ministro sobre os incêndios na Madeira "não é só de solidariedade, é executiva" e por isso António Costa estará na ilha quinta-feira para falar sobre apoios.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante a visita de quase quatro horas aos locais mais afetados pelos incêndios que têm assolado a região da Madeira nos últimos dias, começando por recordar que o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, "marcou um prazo claro" de duas semanas para apresentar os números e os levantamentos dos estragos.
"Amanhã [quinta-feira] está cá o senhor primeiro-ministro.

Precisamente, a sua missão não é só de solidariedade, é executiva", considerou, antecipando que António Costa se vai sentar "à mesa com o senhor presidente do Governo Regional e vão ver de onde vêm os fundos, se é da Europa, se é do Orçamento, para que situação de emergência".

Segundo o Presidente da República, "feito o levantamento, feitas as contas, feito o somatório das necessidades, é preciso começar a reconstruir".

Marcelo Rebelo de Sousa confidenciou que aquilo que mais o "impressionou foi a determinação das pessoas, olhando já para o futuro".

"Eu achava que ia encontrar muita gente em baixo e encontrei uma força de ânimo, uma determinação", enalteceu.

Para o Presidente da República, "é preciso pensar duas vezes" que, "quer na zona florestal, quer na zona urbana, são os terrenos abandonados".

"Falaram que prédios que foram mais rapidamente atingidos foram prédios abandonados, devolutos. E isso, com todo o devido respeito pela propriedade de direito e pelos proprietários, não pode continuar assim. Tem que se pensar num regime em que, se os próprios não conseguem e não pagam as obras, que de outra maneira se fariam, tem de haver uma intervenção da administração para pelo menos garantir que se previne uma situação daquilo não ser um foco de incêndio", defendeu.

Na opinião de Marcelo Rebelo de Sousa, "isso obriga a uma intervenção a nível governativo" e "enquanto está quente a situação é que se deve pensar".

Regresso no fim de agosto para “mostrar que a vida continua”

O chefe de Estado disse ainda que pretende regressar à Madeira no final de agosto para "mostrar que a vida continua" depois dos incêndios que fustigaram a ilha.

"Eu tenciono vir cá daqui até ao final do mês de agosto para mostrar que, verdadeiramente, não há razão nenhuma para quem tencionava vir para à Madeira deixe de vir", disse o chefe de Estado, no âmbito da deslocação que efetuou a esta região autónoma na sequência dos múltiplos fogos que assolaram a região desde segunda-feira e que já provocaram três mortos, a destruição de dezenas de imóveis e centenas de deslocados e desalojados.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que está esta noite na Madeira, uma visita que esteve programada inicialmente apenas para deslocar-se às Ilhas Desertas e às Ilhas Selvagens, mas anunciou que ficará "mais tempo", numa demonstração que "a vida continua" e a "normalidade continua a ser a regra".

"O espírito de que é preciso olhar para o amanhã sem deixar de estar atento para a situação atual, mas começar a reconstruir", foi outro dos comentários feitos pelo Presidente da República sobre a situação da Madeira.

Nesta altura, a situação mais complicada é na Calheta, onde os bombeiros estão a ter dificuldades a controlar o fogo. A noite está mais fresca, mas o vento não ajuda o combate às chamas.