Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Santana desfaz tabu: não quer Lisboa

  • 333

Santana é provedor da Santa Casa desde 2012

LUÍS BARRA

"Neste tempo, não posso aceitar convites", justifica

Helena Pereira

Helena Pereira

Editora de Política

O provedor da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa (SCML), Pedro Santana Lopes, quebrou o tabu: não quer a Câmara da capital. “Neste tempo, não posso aceitar convites para ser candidato a outros cargos”, afirmou ao Expresso.

“Compreendo que o meu partido tenha outros calendários, pelo que não quero, de forma alguma, condicionar a estratégia que seja delineada. Sei que o dossiê está entregue, e bem, ao presidente do PSD”, acrescenta, considerando que os “convites ou apelos merecem sempre reflexões profundas, mas nem sempre são compatíveis com os tempos mediáticos e da política”.

Para já, diz ter “concentração máxima e dedicação total” à Santa Casa. “As eleições autárquicas serão em outubro de 2017. Até lá, o mundo girará muitas vezes”, atira.

O social-democrata, que já comunicou a decisão a Passos, deu uma entrevista ao semanário “Sol”, onde afirmou que iria decidir se concorria ou não à Câmara de Lisboa até ao final deste mês. Se se prolongasse por muito tempo, o tabu poderia deixar de mãos atadas a direção que tem marcado um conselho nacional sobre autárquicas para o dia 20.

O pontapé de saída das autárquicas será agora, mas a escolha de candidatos só começará a ser feita no final do ano. Uma das linhas de ação do coordenador autárquico, Carlos Carreiras, é aumentar o número de coligações com o CDS como forma de potenciar o peso eleitoral dos partidos de direita. De fora está qualquer tipo de aliança com os partidos de esquerda, que se apoiam na solução do Governo.

Nas últimas autárquicas, em 2013, o PS teve o melhor resultado de sempre, 150 câmaras, e o PSD obteve ao todo 106 (sozinho e em coligação). Com esta grande diferença à partida, os sociais-democratas desdramatizam desde já uma eventual derrota, sacudindo a pressão e dizendo que isso nunca beliscará a liderança de Pedro Passos Coelho. “O presidente depende apenas de si próprio. As autárquicas não vão ser determinantes para a liderança. Passos tem a liderança perfeitamente assegurada”, defendeu Carreiras ao Expresso.

Santana Lopes concorreu à Câmara de Lisboa por duas vezes, em 2001 e em 2009, derrotando João Soares na primeira vez e perdendo para António Costa na segunda. Nas últimas eleições, PSD e CDS apoiaram a candidatura de Fernando Seara. Desta vez, além do nome de Santana, são falados como eventuais candidatos o vice-presidente do PSD, Jorge Moreira da Silva, ou Carlos Barbosa, do ACP.

O ex-primeiro-ministro é provedor da SCML desde 2012, tendo sido reconduzido pelo atual Governo em março, “naquilo que vi como um reconhecimento e prova de confiança pelo trabalho que tenho vindo a desenvolver nesta Instituição”, diz Santana.