Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

“Sanção zero é uma possibilidade” mas Dijsselbloem fala na necessidade de mais medidas

  • 333

O comissário Pierre Moscovici à conversa com Jeroen Dijsselbloem, esta manhã, em Bruxelas

OLIVIER HOSLET / EPA

Presidente do Eurogrupo diz que Portugal e Espanha têm “questões orçamentais por resolver”

Os ministros das Finanças da moeda única discutem esta tarde as recomendações da Comissão Europeia que concluem que Portugal e Espanha não tomaram medidas eficazes para corrigir o défice em 2015.

O presidente do Eurogrupo fala na necessidade de uma solução para a derrapagem dos países ibéricos. “É verdade que há questões orçamentais que ainda têm de ser resolvidas”, disse Jeroen Dijsselbloem à entrada para a reunião em Bruxelas, sublinhando que Portugal e Espanha devem questionar-se sobre “o podem fazer mais e de quanto mais tempo precisam para resolver os problemas orçamentais”.

Questionado sobre se o Governo português deve tomar mais medidas, o líder do Eurogrupo responde que se “se olhar para a situação orçamental nestes dois países, a necessidade de dar mais passos é inevitável” e deixa antever que o que Portugal e Espanha fizerem nos próximos tempos pode diminuir o peso de uma eventual multa financeira.

“Acho que a sanção zero é uma possibilidade”, diz o ministro holandês, explicando que é importante perceber o que os dois países “podem fazer este ano e nos próximos para resolver os problemas”. “Quanto mais puserem em cima da mesa, quanto maior for o compromisso apresentado à Comissão, talvez isso possa ajudar”, acrescenta.

Esta segunda-feira, a reunião do Eurogrupo serve sobretudo para discutir as recomendações da Comissão e ouvir também os argumentos de Portugal e de Espanha. A decisão de adotar a recomendação só será tomada esta terça-feira, durante a reunião dos 28 ministros das Finanças (Ecofin).

Se os ministros concordarem que houve “falta de ação eficaz”, então o processo volta para a Comissão, que tem 20 dias para propor uma multa. Portugal e Espanha teriam também 10 dias – a partir desta terça-feira – para apresentar uma defesa.