Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PS considera auditoria forense à CGD um bom contributo

  • 333

Alberto Frias

Os bloquistas insistiram numa auditoria forense à Caixa Geral de Depósitos para investigar os créditos de alto risco. Carlos César garantiu que a comissão de inquérito “contará com a participação forte e ativa” dos socialistas

O Partido Socialista considera ser um bom contributo a auditoria forense à Caixa Geral de Depósitos (CGD), proposta pelo Bloco de Esquerda e que ainda terá de ser votada. No entanto, Carlos César, presidente dos socialistas, sublinhou que cabe ao regulador decidir.

“Poderá ser um bom contributo para informar os trabalhos da comissão de inquérito que será constituída com força obrigatória”, diz Carlos César em resposta ao Expresso. “Esta, assim constituída, e apesar da leviandade que lhe está na base, contará com a participação forte e ativa do PS na perspetiva de garantir a transparência, o bom senso e o rigor com que se deve tratar a CGD e o sistema financeiro em geral”, acrescenta.

Apesar de os socialistas garantirem que vão participar "ativamente" na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD), pedida a título potestativo por deputados de PSD e CDS-PP, temem a perda de confiança no banco com o avançar da mesma nesta fase.

“A posição do PS é conhecida: parece-nos uma irresponsabilidade a constituição desta comissão de inquérito agora”, vincou esta sexta-feira o porta-voz do PS, João Galamba, em declarações aos jornalistas no parlamento.

Em causa está o avançar potestativo de uma comissão de inquérito num momento em que é negociada com as instituições europeias a recapitalização do banco público português.

“Se há dois partidos que sabem exatamente o que se passou, passava, o que foi feito e não foi feito na CGD, são precisamente PSD e CDS-PP”, prosseguiu João Galamba, a quem causa “estranheza” este pedido dos partidos que estiveram no anterior executivo.

Em 2012, lembrou o socialista, houve também uma recapitalização da Caixa, e na altura terá sido feito um “levantamento” da situação do banco.

Ora, prosseguiu o parlamentar do PS, ou esse trabalho foi "mal feito, incorretamente feito", e agora PSD e CDS-PP pedem novos dados, ou foi bem feito "e os problemas da Caixa são posteriores", isto é, dizem respeito ao período entre o programa de ajustamento e o presente.

"Supostamente, foi feito um levantamento exaustivo das necessidades da Caixa em 2011 e 2012", sinalizou o porta-voz socialista, lembrando que a "estabilidade do setor financeiro" foi um dos pilares do programa de ajuda externa firmado com a 'troika'.

De todo o modo, continuou Galamba, o PS participará "ativamente" nos trabalhos da comissão "como sempre" o fez em todos os inquéritos parlamentares.

Deputados de PSD e CDS-PP assinam o texto que pede a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito sobre a CGD, iniciando-se agora o processo de formalização da comissão.

O texto esta segunda-feira entregue no parlamento foi apresentado aos jornalistas pelo líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, numa conferência de imprensa em que esteve ladeado pelo também deputado social-democrata António Leitão Amaro e pelo vice-presidente do CDS-PP Adolfo Mesquita Nunes.

"O parlamento e o país não podem ser considerados, como estão a ser pelo Governo e partidos que o suportam, como uma verdadeira conservatória de registos", vincou Montenegro, que exigiu esclarecimentos em torno da recapitalização da entidade mas pediu também, no objeto da comissão parlamentar, que se avalie o processo e "efetivas necessidades de injeção de fundos públicos" na Caixa.