Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos: “A Europa não será a mesma depois do referendo do Reino Unido”

  • 333

José Coelho/LUSA

Líder do PSD defende que será necessário um reforço do compromisso por parte de todos os países da União Europeia

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou este sábado à noite que seja qual for o resultado do referendo no Reino Unido sobre a permanência deste país na União Europeia (UE), o bloco irá mudar.

"Os britânicos tomarão a sua decisão soberanamente, mas esta decisão afetará toda a gente. Será necessário termos um reforço do nosso compromisso, de todos os países da UE. Seja qual for o resultado, a Europa não será a mesma depois deste referendo", avaliou.

Questionado sobre o assunto por jornalistas minutos antes de participar num jantar com a comunidade portuguesa na cidade Rio de Janeiro, o ex-primeiro-ministro falou brevemente sobre possíveis mudanças no projeto europeu.

"A saída do Reino Unidos da UE deixaria o bloco politicamente mais debilitado. Até hoje [a UE] sempre motivou o interesse de todos os países em aderirem e não em saírem. Isto significa, portanto, que precisaremos melhorar o seu funcionamento", destacou.

O líder do PSD também referiu que está pessoalmente preocupado com a decisão dos britânicos, que votam na próxima quinta-feira se permanecem ou não na UE.
"Ninguém pode ficar indiferente ao que será decidido neste referendo. Afeta Portugal e também afeta toda a Europa", concluiu.

  • “Com ou sem Brexit, o terramoto já aconteceu na União Europeia”

    Professora catedrática de Relações Internacionais na Universidade de Dresden, Eugénia da Conceição vive há vários anos na Alemanha. Prestes a assumir o cargo de reitora do Instituto de Políticas Públicas da Baviera da Universidade Técnica de Munique, esteve na feira do livro em Lisboa para apresentar “O Futuro da União Europeia”, o último ensaio da Fundação Francisco Manuel dos Santos. Em entrevista ao Expresso, falou sobre os desafios que o bloco enfrenta, a começar pelo referendo britânico. Critica a forma como Bruxelas lidou com o caso Banif e diz achar que Portugal não vai ser alvo de sanções pela UE