Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Guterres abre site de candidato a secretário-geral da ONU

  • 333

KENA BETANCUR/GETTY

O site é todo em inglês e conta com uma vasta galeria de fotografias. Tem como título “Uma vida dedicada ao serviço público”

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

António Guterres, “uma vida dedicada ao serviço público”. Assim abre o novo site do candidato português a secretário-geral das Nações Unidas, que pode ser consultado em www.antonioguterres.gov.pt

No site, aberto esta semana e é todo em inglês (mas com uma biografia em seis línguas), pode ver-se uma galeria fotográfica de todo o percurso profissional de Guterres, desde os seus tempos de primeiro-ministro, até aos mais recentes de Alto Comissário para os Refugiados. O site inclui ainda a “Visão para a ONU” do candidato, os seus discursos e diversas notícias.

REUTERS

António Guterres esteve esta semana em Londres para uma série de conferências e debates e prossegue a sua campanha. A imprensa britânica acompanhou aliás o tema, com uma peça da BBC referindo que ele era, juntamente com a putativa candidata búlgara Kristalina Georgieva, atual comissária europeia para o Orçamento, um dos nomes capazes de “dar o empurrão que a ONU necessita”. A BBC qualifica-o como o “assertivo ex-Alto Comissário para os Refugiados”.

Já se sabe entretanto que no próximo dia 21 de julho será a data marcada para a primeira das presumíveis várias votações secretas no Conselho de Segurança para escolher o próximo secretário-geral (as chamadas “strawpolls). Nessas votações, os 15 membros do Conselho (dos quais cinco com direito a veto) indicarão se “encorajam”, “desencorajam” ou “não têm opinião” sobre os atuais 11 candidatos.

Reuters

Em função do número de votos de encorajamento ou desencorajamento os candidatos poderão desistir da corrida, abrindo eventualemente campo para outras candidaturas. É aparentemente essa a jogada da comissária búlgara, que espera que o seu país ainda venha a apoiá-la (a Bulgária já indicou a atual diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, como sua candidata) ou outro país, falando-se neste caso da Noruega.

António Pedro Ferreira