Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Hollande quer intensificar relações económicas com Portugal

  • 333

Marcelo Rebelo de Sousa e François Hollande à porta do Palácio do Eliseu, em Paris

Miguel A. Lopes / Lusa

O presidente francês, François Hollande, lembrou ainda o trabalho que Portugal e França devem fazer em conjunto para que as “relações culturais sejam reforçadas”

O presidente François Hollande defendeu esta sexta-feira que França e Portugal devem "intensificar as suas relações económicas" e trabalhar juntos num período europeu de "interrogações e inquietude".

"É uma honra ter ao mesmo tempo o presidente e o primeiro-ministro de Portugal aqui em Paris para festejar o dia nacional do seu país. Portugal é um país perfeitamente comprometido com o projeto europeu, tal como França, e devemos trabalhar juntos neste período de interrogações e inquietude. Trabalhamos juntos para que as relações culturais sejam reforçadas e as relações económicas devem ser intensificadas", disse Hollande.

O presidente francês fez uma curta declaração após o encontro com o Presidente da República portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio do Eliseu, em Paris.

A candidatura de António Guterres a secretário-geral da ONU, a segurança e o terrorismo, o futuro da zona euro e as relações bilaterais em Portugal e França foram os temas discutidos numa reunião que durou cerca de 30 minutos.

Marcelo chegou ao Palácio do Eliseu às 17:50 (16:50 horas de Lisboa) no mesmo carro que o primeiro-ministro português, António Costa. Depois da parada da guarda de honra, François Hollande recebeu os governantes lusos junto às escadas que dão acesso à residência oficial do presidente francês.

Na comitiva portuguesa estava também o ministro da Defesa, José Alberto Azeredo Lopes, o secretário de Estados das comunidades, José Luís Carneiro, e o embaixador francês em Paris, José Filipe Moraes Cabral.

O encontro entre Marcelo e Hollande fez parte do programa das comemorações do 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portugueses, dividindo-se este ano, e de forma inédita, entre Lisboa e Paris.