Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD propõe voto de louvor às Forças Armadas pelo salvamento de refugiados

  • 333

Carl Court

Desde outubro de 2015, a Polícia Marítima resgatou 1810 emigrantes e refugiados do Mar Egeu, na Grécia. Os deputados do PSD defendem que as Forças Armadas e as Forças de Segurança portuguesas merecem um agradecimento pelo papel que têm desempenhado

Os deputados do PSD apresentaram uma proposta de voto de louvor às Forças Armadas e às forças de segurança portuguesas pela sua participação na missão de salvamento de refugiados, tendo em conta a onda migratória e crise humanitária que a Europa vive atualmente.

Na proposta de voto de louvor, os deputados lembram que atualmente Portugal tem a Polícia Marítima no mar Egeu, e ainda cerca de 40 agentes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e 18 militares da GNR.

Desde outubro de 2015, no âmbito da Operação Conjunta POSEIDON SEA 2015, a Polícia Marítima resgatou 1810 emigrantes e refugiados no mar Egeu, na Grécia - dos quais 409 eram bebés e crianças e 381 eram mulheres - e prestou ainda apoio de primeiros socorros a 15 pessoas e fez quatro detenções.

“As nossas Forças Armadas, bem como as nossas Forças de Segurança são, pois, a expressão viva de muito do que de melhor fizemos no passado e fazemos no presente, desenvolvendo, hoje, missões da maior relevância na cena internacional”, lê-se na proposta de voto de louvor, assinada pelos deputados do PSD dos Assuntos Europeus, Negócios Estrangeiros e Defesa.

Os deputados defendem ainda que, “pelo seu compromisso”, as forças armadas e de segurança merecem dos portugueses “uma gratidão, muitas vezes esquecida pela banalização do fundamental.”

“Merecem, ainda, as nossas Forças Armadas e as Forças de Segurança que a Assembleia da República lhes reconheça a importância da missão que desempenham. Aqui, em Portugal, e na Europa. Trabalhando pela paz e sempre pela dignidade humana.”

No texto da proposta é ainda sublinhado que, durante 2015, as operações conjuntas Triton e Poseidon, coordenadas pela Frontex, “permitiram salvar milhares de pessoas, sendo aumentados os recursos e os meios disponíveis para essas operações conjuntas”, tendo sido salvas mais de 250 mil pessoas.

“Estas intervenções, conjugadas com o destacamento de equipas de intervenção rápida da Frontex nas fronteiras no mar Egeu, contribuíram para detetar mais de um milhão de migrantes irregulares e deter mais de 900 presumíveis passadores. E as forças armadas e as forças de segurança portuguesas estiveram lá.”

Os deputados sociais democratas defendem, por isso, a importância de um agradecimento do país às forças portugueses presentes nessa missão.

“Portugal agradece, com admiração, esse testemunho patriótico. Evocamos, deste modo, todos aqueles que, com nobreza e coragem, serviram e servem honrosamente o interesse nacional contribuindo meritoriamente para uma maior e melhor segurança internacional.”