Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PS tenta recolher apoio dos partidos para voto contra sanções. Sem culpar Passos

ANTÓNIO COTRIM

No documento, os deputados socialistas consideram que uma aplicação de sanções de Bruxelas a Portugal seria “injusta, incompreensível e contraproducente”

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

O Partido Socialista enviou esta terça-feira aos restantes grupos parlamentares o texto sobre um “voto de condenação” das eventuais sanções que Bruxelas poderá vir a aplicar a Portugal, por o país não ter terminado o ano de 2015 com um défice abaixo de 3% do PIB.

Os deputados socialistas apelam aos restantes partidos com assento parlamentar “para que juntem a sua voz à do Presidente da República, do Presidente da Assembleia da República e do Governo de Portugal em considerar injusta, incompreensível e contraproducente a eventual decisão da Comissão Europeia em propor sanções ao país por incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento”, lê-se no documento a que o Expresso teve acesso. O texto foi escrito já com o acordo prévio do BE. Entretanto, o PEV, o PAN e o PCP já garantiram esta tarde que vão dar o seu voto favorável.

No texto, os socialistas não mencionam o anterior Governo de Passos, que foi responsável pelo défice de 2015 nem atribuem culpa a qualquer Governo, numa tentativa de recolher o apoio de todos os partidos com assento parlamentar para este texto. Seria, assim, uma tomada de posição a seis vozes.

“A mera possibilidade de aplicar sanções ao país, para além de inédito ao nível da aplicação do Pacto de Estabilidade e Crescimento, afigura-se injusta, incompreensível e contraproducente. Injusta, face à grave crise económica e social que afectou Portugal e da qual ainda não recuperámos; incompreensível face ao reiterado apoio da Comissão Europeia à estratégia seguida; e contraproducente, face aos desafios que se colocam para a recuperação económica de Portugal.”

No “voto de condenação”, os deputados do PS defendem que a aplicação de sanções “teria um efeito económico, orçamental e reputacional muito negativo na economia, no investimento, no emprego e, portanto, nas próprias finanças públicas de Portugal”.

Segundo a Comissão Europeia, o défice de 2015, sem medidas extraordinárias, terá ficado, em 3,2% do PIB, ou seja, 0,2 pontos percentuais acima do limite.

PSD e CDS, porém, já admitiram que equacionam a possibilidade de entregar um texto próprio sobre as eventuais sanções.

[Notícia atualizada às 20h45]