Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Negociações com Bruxelas para capitalização da Caixa longe de estarem fechadas, diz Centeno

  • 333

Luis Barra

Mário Centeno explicou esta terça-feira em Nova Iorque que antes da capitalização da Caixa Geral de Depósitos, cujos montantes não avançou, há três passos a cumprir

Anabela Campos

Anabela Campos

nos Estados Unidos

Jornalista

O Governo apresentou apenas ainda de "forma muito genérica" a proposta de capitalização da Caixa Geral de Depósitos à Direção-Geral da Concorrência e ao mecanismo único de supervisão europeu, disse o ministro das Finanças. Primeiro é preciso a nova administração tomar posse e pôr em marcha o processo industrial da CGD.

Mário Centeno explicou esta terça-feira em Nova Iorque que antes da capitalização da Caixa, cujos montantes não avançou, há três passos a cumprir. E explicou quais: "Tem de haver um novo conselho de administração, que ainda está a ser finalizado". "Tem de ser apresentado um novo modelo de governação do banco". E tem de "ser introduzido um novo plano industrial", no âmbito do qual a Caixa tem de ser colocada ao serviço da economia portuguesa.

"Estamos em negociações e em discussão com a Comissão Europeia. São estas as condições em que a capitalização será feita. Esse processo ainda não está terminado. Foi feita uma apresentação muito genérica à Direçã-Geral da Concorrência e ao mecanismo único de supervisão de todos estes problemas", disse o ministro das Finanças à margem do Pan European Days, uma mostra de empresas da Euronext em Nova Iorque. Centeno não se comprometeu com prazos nem com os montantes de injeção de capital, que terão de ser aprovados por Bruxelas. A comunicação social tem falado em 4000 milhões de euros.

Centeno não avançou com uma data para a tomada de posse da nova administração, mas elogiou António Domingues, o novo presidente. "António Domingues tem uma experiência assinalável e vai liderar o projeto da Caixa numa lógica de mercado e profissional", sublinhou.

O objetivo é que a capitalização do banco público seja feita numa ótica de mercado e não tenha impacto no défice, defendeu o governante. Mas tudo está ainda dependente das características da operação.