Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Outros candidatos à ONU

  • 333

Na sucessão ao lugar de Ban Ki-moon há oito candidatos declarados e dois potenciais. Saiba quem são

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

CANDIDATOS DECLARADOS

NATALIA GHERMAN

Moldávia. É, aos 47 anos, vice-primeira-ministra e ministra dos Negócios Estrangeiros e da Integração Europeia, tendo dirigido e finalizado as negociações sobre o acordo de livre comércio do seu país, bem como garantido uma decisão positiva sobre a liberalização dos vistos para aquela república. Começou a carreira com a independência da Moldova da União Soviética (1991), tendo sido embaixadora em diversos países. O pai foi o primeiro Presidente da Moldova.

HELEN CLARK

Nova Zelândia. A atual diretora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), de 66 anos, é a mulher com um cargo mais elevado na ONU. Foi primeira-ministra do seu país entre 1999 e 2008 (Partido Trabalhista), sendo a segunda mulher a assumir tal cargo. É um nome forte, se a escolha para o futuro secretário-geral saltar da Europa de Leste para outra região, conhecendo muito bem os meandros da organização.

danilo turk

Eslovénia. Este professor de Direito Internacional e advogado foi Presidente do seu país entre 2007 e 2012, como independente, mas apoiado por uma vasta coligação de partidos de esquerda. Foi também diplomata, tendo representado o seu país na ONU durante oito anos, presidindo por duas vezes ao Conselho de Segurança e tendo sido membro do Comité de Direitos Humanos da ONU. Entre 2000-2005 foi assessor para Assuntos Políticos do ex-secretário-geral Kofi Annan. Tem 64 anos.

igor luksic

Montenegro. Além de professor de Economia e Desenvolvimento na Universidade de Podgorica, é, aos 40 anos, ministro dos Negócios Estrangeiros e da Integração Europeia. Era visto como delfim do anterior primeiro-ministro e Presidente, Milo Djukanovic, uma personalidade muito contestada, a quem sucedeu interinamente no cargo, durante algum tempo, quando aquele foi obrigado a demitir-se. Aos 28 anos, foi ministro das Finanças da não menos jovem república ex-jugoslava.

irina bokova

Bulgária. Diretora-geral da UNESCO há sete anos, foi a primeira mulher e a primeira pessoa oriunda do Leste europeu a ocupar o cargo. Tem 63 anos. Mantém boas relações com Moscovo, o que lhe pode facilitar o sim da Rússia, que tem direito a veto. Foi embaixadora, ministra dos Negócios Estrangeiros e deputada. Nomeada pelo anterior Governo do seu país, conseguiu aparentemente afastar a outra potencial candidata búlgara, a comissária europeia Kristalina Georgieva (que seria a preferida pelo atual Executivo).

SRGJIAN KERIM

Macedónia. Este ex-professor de Economia e empresário de 67 anos foi também ministro dos Negócios Estrangeiros e embaixador do seu país, incluindo nas Nações Unidas, onde, entre 2007 e 2008 presidiu à 62ª sessão da Assembleia Geral da ONU. É, aos 67 anos, o mais velho dos candidatos em liça.

VESNA PUSIC

Croácia. Foi presidente do Partido Popular Croata, é atualmente ministra dos Negócios Estrangeiros e dos Assuntos Europeus e primeira vice-primeira-ministra. Socióloga de formação, entrou na política depois da guerra pela independência do seu país, tendo conduzido a adesão da Croácia à União Europeia em 2013. Aos 63 anos, já foi deputada inúmeras vezes e candidata a Presidente da República.

VUK JEREMIK

Sérvia. Tem 40 anos mas uma longa carreira política, desde que participou no movimento cívico Otpor contra o ex-Presidente Slobodan Milosevic. Foi assessor do primeiro-ministro Zoran Djindjic e do ministro da Defesa, antes de ser ministro dos Negócios Estrangeiros (2007-2012). Como tal, coube-lhe gerir o dossiê da independência do Kosovo, que a Sérvia nunca reconheceu. Formado em Física (Cambridge), foi também presidente da 67ª sessão da Assembleia Geral da ONU (2012-2013).

CANDIDATOS POTENCIAIS

SUSANA MALCORRA

Argentina. A ministra dos Negócios Estrangeiros, de 61 anos, é dada como virtual candidata ao cargo, aguardando-se que o Presidente Mauricio Macri faça uma declaração nesse sentido. A ministra era, desde 2012, chefe de gabinete do próprio secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, sendo que o exercício dessas funções lhe permitiu ter um amplo conhecimento da máquina e das redes dos Estados. A sua grande atividade nestes últimos meses tem sido vista como verdadeira pré-campanha.

MIROSLAV LAJCAK

Eslováquia. O atual ministro dos Negócios Estrangeiros da Eslováquia, de 53 anos, já anunciou a sua vontade de concorrer ao cargo de secretário-geral, embora não tenha ainda apresentado a candidatura. Formado em Relações Internacionais, ingressou no Ministério que hoje dirige ainda no tempo da Checoslováquia, tendo depois transitado para o do seu país. Entre 2007 e 2009 foi alto representante para a Bósnia e Herzegovina/Representante especial da União Europeia.

Artigo publicado na edição do EXPRESSO de 28 maio 2016