Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

“Estamos juntos a fazer história em Portugal”, diz Pedro Nuno Santos a PCP, BE e Verdes

  • 333

Marcos Borga

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares defendeu que os trabalhadores com salário mínimo e os reformados “sabem para que serve este Governo”, embora alguns ainda não tenham percebido

O dirigente socialista Pedro Nuno Santos deixou este sábado um elogio público aos militantes do PS que fez questão de estender também aos do PCP, BE e Verdes, dizendo que todos juntos estão "a fazer história em Portugal".

"Terminava com um elogio público aos militantes do PS e ao Partido Socialista mas era incompleto também se não o fizéssemos de forma clara ao PCP, BE e Verdes. Nós estamos juntos a fazer história em Portugal", afirmou, recolhendo fortes aplausos dos delegados do 21.º Congresso do PS.

Na sua curta intervenção, o também secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares disse aos congressistas que não se preocupem se alguns ainda não perceberam "para que serve este Governo", apoiado em acordos parlamentares com PCP, BE e PEV.

"Todos os trabalhadores que recebem o Salário Mínimo Nacional e que foram aumentados sabem bem para que serve este Governo, todos os reformados que viram as pensões e Complemento Solidário para Idosos atualizados sabem para que serve este Governo", enumerou, citando também como exemplos os aumentos dos abonos de família ou a reposição de salários para os funcionários públicos e eliminação da sobretaxa.

"Nós tínhamos um compromisso e estamos a provar que é possível viver melhor em Portugal", afirmou, acrescentando, contudo, que "existe um combate longe de ser ganho, o das palavras".

A primeira destas palavras, segundo Pedro Nuno Santos, seria reforma: "Nos últimos anos, reformar significou liberalizar, desregular, mas nem sempre foi assim".

"Quando acabamos com os desperdícios de dinheiros públicos nos colégios privados onde há oferta pública nós estamos a reformar", salientou, dizendo que as únicas reformas que o PS não fará são "as que a direita queria fazer".