Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Jerónimo desmente acordo com o PS: “Não há pacto, nem vai haver agressão”

  • 333

António José/Lusa

“Os jornalistas são muito criativos”. Foi assim que o líder comunista desmentiu a notícia que, esta terça-feira, dava como certa a existência de um acordo PS/ PCP para as autárquicas. E diz que a “coligação permanente” é com os Verdes. Mas admite a possibilidade “entendimentos mais vastos”

Uma hora e meia de reunião na sede do Partido Ecologista os Verdes a pedido dos comunistas, saldou mais um acordo pré-eleitoral para as próximas eleições autárquicas. Tanto Jerónimo de Sousa como Heloísa Apolónia estão satisfeitos com os resultados alcançados no passado e por isso, a coligação está para lavar e durar.
“A CDU é para valer”, disse o líder do PCP. “Os Verdes fazem um balanço muito positivo desta coligação”, acrescentou a líder ecologista.

Cumprimentos à parte, a notícia dada esta terça-feira pelo Público sobre a eventual existência de um acordo de não agressão entre as direções comunista e socialista para as eleições locais, acabou por marcar a sessão de perguntas dos jornalistas. Jerónimo desmentiu categoricamente o assunto. “É um não facto”, disse. “Ainda dizem que os jornalistas portugueses não são criativos”, acrescentou. “Não existiu nenhum encontro”, continuou Jerónimo, para quem “não existe nenhum, pacto, nem vai haver agressão. Haverá uma disputa eleitoral em todo o território e nas eleições regionais dos Açores, em que a CDU vai concorrer”.

As portas não estão, porém, totalmente fechadas. “É sempre possível fazer enfiamentos mais vastos”, disse Jerónimo de Sousa. Mas o líder comunista não quis adiantar mais sobre o tema. “A nossa forma de concorrer às eleições é no quadro da CDU”, concluiu para fechar o assunto.

  • PS e PCP fazem acordo para evitar competição nas autárquicas

    Partidos querem assegurar que acordo das esquerdas não será desestabilizado por questões competitivas nas eleições autárquicas. PS e o PCP têm “uma espécie de um pacto de não-agressão autárquica”, ao mais alto nível da direção de ambos os partidos