Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Alcançado acordo entre Governo e estivadores

  • 333

Luís Barra

Após 15 horas de negociações, o Governo e o sindicato dos estivadores chegaram a acordo que põe fim à greve no porto de Lisboa

Os estivadores e os operadores do porto de Lisboa chegaram esta noite a um acordo que permitirá a suspensão imediata da greve em curso, após a confirmação em plenário pelos trabalhadores no prazo de máximo de 24 horas, de acordo com o documento assinado.

Após uma reunião de várias horas no Ministério do Mar, em Lisboa, os estivadores e os operadores portuários chegaram ainda a um compromisso para que, no prazo de 15 dias, seja assinado “um novo contrato coletivo de trabalho” que traduza os termos do acordo desta sexta-feira.

“É um acordo que permite que já estejam acertadas todas as cláusulas que serão vertidas no contrato coletivo de trabalho, que deverá estar pronto em 15 dias”, declarou a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, à SIC à saída da reunião.

A governante realçou ainda que o acordo é bom para ambas as partes e permitirá retomar o crescimento da atividade do porto de Lisboa. “Voltaremos a ter paz no porto de Lisboa que é aquilo que é preciso para o cressimento da economia e para a manutenção do emprego”, acrescentou.

Esta sexta-feira, o primeiro-ministro já tinha garantido no parlamento que a situação tinha que ser resolvida hoje. “É um conflito grave para a economia e hoje o Governo estará totalmente empenhado em encontrar uma solução.Tudo tem um limite e o limite é mesmo hoje para que as partes se possam entender”, afirmou António Costa.

A administração do Porto de Lisboa, representantes dos operadores portuários e do sindicato dos estivadores estiveram reunidos desde esta manhã no Ministério do Mar para negociações, depois de os operadores terem anunciado que vão avançar com um despedimento coletivo.

  • Os 200 homens que páram o país

    Agressivos e corporativos ou solidários e acossados? Admirados ou odiados, quando os estivadores entram em greve levam as empresas privadas e o Governo ao limite da paciência. Afinal, quem são e o que pensam? Uma pergunta a que se tentou dar resposta nesta reportagem publicada pela Revista do Expresso de 24 de novembro de 2012 e que aqui republicamos (seguida de um texto que faz o ponto da situação na atualidade)