Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD ataca Governo da "Internacional Syrizista"

  • 333

Sociais-democratas reuniram-se no primeiro Conselho Nacional desde a reeleição de Passos Coelho.

O vice-presidente do PSD Jorge Moreira da Silva exortou na terça-feira o Governo "da Internacional Syrizista" (PS, BE, PCP e PEV) a corrigir o rumo e a estratégia económica, durante a reunião do Conselho Nacional "laranja", num hotel lisboeta.

O ex-ministro do Ambiente citou dados da execução orçamental do primeiro trimestre e alertas de várias instituições, como o Conselho de Finanças Públicas (CFP), para sublinhar que há dois modelos políticos distintos em Portugal - o que estava a resultar, protagonizado por PSD e CDS-PP, e o do atual executivo socialista.

"Fazemos obviamente o apelo a que o Governo do PS, BE, PCP e PEV corrijam a estratégia económica e o modelo de desenvolvimento económico, que é anacrónico, assenta em reversões estruturais que retiram a capacidade de crescimento e em políticas sociais (educação) que são preconceituosas", afirmou em conferência de imprensa.

O CFP avisara para o risco de um "desvio significativo" na redução do défice definida no Programa de Estabilidade, o que pode comprometer a estratégia do Governo do PS prevista no Programa Nacional de Reformas, precisamente no mesmo dia desta primeira reunião do órgão máximo entre congressos do PSD desde a 36.ª reunião magna, em Espinho, há mês e meio.

"Há um outro modelo que está a ser concretizado, aquilo que consideramos ser um padrão de uma Internacional 'Syrizista'. Um modelo que na vertente orçamental é irresponsável, na vertente económica anacrónico e na vertente social é conservador e preconceituoso", continuou Moreira da Silva.

Questionado sobre a eventual necessidade de eleições e posicionamento dos sociais-democratas, o dirigente do PSD disse que o seu partido "tem interesse em que seja rapidamente corrigida a atual trajetória e modelo económicos".

"O PSD não tem pressa absolutamente nenhuma. Quem tem de ter pressa numa resolução destes problemas são os portugueses", afirmou.