Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Totta não esteve representado na reunião da decisão da medida de resolução para o Banif

  • 333

José Carlos Carvalho

O presidente Vieira Monteiro afirmou que o Totta foi posteriormente contatado quando já tinha sido tomada a decisão

O Banco Santander Totta não esteve presente na reunião em que as autoridades decidiram que a venda voluntária do Banif passava a venda no âmbito de uma medida de resolução, assegurou esta quarta-feira o presidente António Vieira Monteiro.

“O Banco Santander Totta não esteve presente em qualquer reunião onde tenha sido tomada a decisão de adotar a medida de resolução do Banif”, afirmou o gestor logo durante a sua intervenção inicial perante os deputados que integram a comissão de inquérito ao Banif.

Segundo Vieira Monteiro, no mesmo dia em que o Santander Totta apresentou a sua proposta de compra do Banif, pelas 19h do dia 18 de dezembro de 2015, ainda no âmbito do processo voluntário, “foi posteriormente contactado telefonicamente pela N+1, tendo-lhe sido solicitada a presença numa reunião, a realizar nessa noite nas instalações do Banco de Portugal”.

A N+1 era a consultora que acompanhava o processo de venda do Banif, contratada pela equipa de gestão liderada por Jorge Tomé.

“Após as 22 horas do dia 18 de dezembro de 2015, a nossa equipa, chefiada por mim e pelo Dr. Manuel Preto, chegou ao Banco de Portugal, onde estavam presentes elementos do Fundo de Resolução, do Banco de Portugal e do Ministério das Finanças, bem como um conjunto de assessores financeiros e legais, entre os quais a Oliver Wyman, a Allen & Overy e a Cuatrecasas, num total de cerca de 20 pessoas”, relatou Vieira Monteiro.

E destacou: “Fomos então informados que o processo voluntário de venda do capital do Banif tinha sido dado como terminado, e que o Banco de Portugal tinha iniciado um processo imediato de alienação de parte dos ativos e passivos do Banif, já não segundo um procedimento de venda privada, mas ao abrigo de uma medida de resolução, a ser tomada pelo Banco de Portugal, e que teria de estar concluída nesse mesmo fim de semana, pelo que qualquer proposta deveria ser apresentada até domingo, dia 20 de dezembro”.

O responsável reforçou que “essa reunião não tratou de decidir a medida de resolução, mas de discutir a abertura do processo de venda de ativos e passivos do Banif”.