Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sócrates sobre convite de Costa: “É um sinal de decência e grandeza democrática”

  • 333

LUCILIA MONTEIRO

Sócrates é a ‘estrela’ convidada para a inauguração do túnel do Marão, mas a festa também conta com a presença do primeiro-ministro António Costa, de ministros e ex-ministros. Igual a si próprio, Sócrates lembrou que a ordem para fazer a obra foi uma “grande decisão política”

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Helena Bento

Jornalista

Lucília Monteiro

Lucília Monteiro

Fotografia

Fotojornalista

Sete anos depois de José Sócrates ter dado o tiro de partida na construção do túnel do Marão, o ex-primeiro-ministro socialista diz que “esta obra é o reeencontro do país consigo próprio”. “Deixa de haver a divisão [dos que estão] para cá e [dos que estão] para lá do Marão”.

Sócrates diz ainda que os 30 quilómetros de autoestrada que este sábado são inaugurados - e que incluem os seis quilómetros de túnel - trazem “justiça e igualdade aos transmontanos”.

Interrogado pelos jornalistas sobre a forma como encara o convite de António Costa para estar presente, o ex-primeiro-ministro afirmou: “É um sinal de decência e grandeza democrática”.

Recorde-se que António Costa também convidou o seu antecessor Pedro Passos Coelho para participar na inauguração; o líder do PSD declinou o convite por já estar comprometido com uma conferência do PSD no Porto.

O tráfego nestes 30 quilómetros de autoestrada só começará a rodar depois das 0h00 de domingo mas, este sábado, o maior túnel rodoviário da península ibérica foi palco de um passeio a pé para populares e políticos.

Protesto de professores, pais e alunos

A agência Lusa diz que “professores, pais e alunos de colégios privados concentraram-se perto do Túnel do Marão, em Vila Real, para protestarem contra a redução do contrato de associação”.

Os manifestantes espalharam tarjas onde se podia ler “PM não feche a nossa escola” ou “Educação: liberdade de escolha!”.

Em pequenos cartazes que muitos empunhavam estava escrito “A escola do meu filho? Sou eu que a escolho!”. Os manifestantes não foram autorizados a entrar no túnel. Para se fazerem ouvir trouxeram megafones e apitos. A ideia é fazer barulho para chamar a atenção para esta causa.