Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos Coelho acusa BE e PCP de serem “retrógrados”

  • 333

O presidente do PSD Pedro Passos Coelho no XXIV Congresso da JSD, na Batalha.

Paulo Cunha/LUSA

Perante uma plateia com cerca de um milhar de jovens, o dirigente social-democrata disse que os portugueses podem contar com um “PSD atrevido, ousado e inconformista”

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, classificou este domingo de “forças retrógradas” os partidos que sustentam o Governo socialista de António Costa, por quererem que o Estado tome conta de todos os setores de atividade.

“Há forças retrógradas, que hoje nos governam, que querem fazer regredir a sociedade portuguesa a um debate que achávamos já estar superado”, disse o dirigente social-democrata, na Batalha, no distrito de Leiria, na cerimónia de encerramento do 24.º congresso nacional da JSD, que reelegeu Cristóvão Simão Ribeiro como presidente.

Num discurso de mais de meia hora, o antigo primeiro-ministro disse “que só uma atitude ideologicamente muito retrógrada é que podia pensar que as pessoas seriam entregues a si próprias sem nenhum enquadramento público, sem solidariedade social, e que o mercado funciona entregue a si próprio”.

“Em Portugal, ainda há forças retrógradas que acham que os contratos de associação deviam deixar de existir, a não ser nos sítios onde o Estado realmente não tenha capacidade para oferecer equipamentos escolares”, sublinhou, dizendo que são “os mesmos que acham que o Estado tem de oferecer equipamentos escolares em todo o lado, mesmo onde já existam”.

Insistindo nas críticas aos partidos que hoje asseguram a governação em Portugal, Passos Coelho reiterou que só “alguém manifestamente muito retrógrado podia pensar que a ausência de mercado resolveria os problemas económicos em qualquer sociedade”.

Recuando a 1975, para recordar o processo de nacionalizações, que obrigou o país a “pagar um preço muito elevado, por haver forças políticas que queriam que o Estado tomasse conta de tudo”, o presidente do PSD frisou que “o Estado é hoje imprescindível para que a economia funcione com regras”.

No entanto, realçou, o Estado ocupa um espaço “que não pode ser confundido com o da iniciativa privada, não pode tomar conta da nossa iniciativa e não pode decidir por nós e nos impor um modelo de vida”.

Perante uma plateia com cerca de um milhar de jovens, o líder Passos Coelho deixou a mensagem de que podem contar com um “PSD atrevido, ousado e inconformista”.

“Somos reformistas e reformadores, ousados e podemos construir um futuro muito melhor que as forças retrógradas que nos governam hoje nos podem prometer”, finalizou o antigo primeiro-ministro, que criticou o arrefecimento da economia e a destruição de 20 mil postos de trabalho entre novembro e maio.