Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

CGTP anuncia semana de greves e manifestações entre 16 e 20 de maio

  • 333

Mário Cruz/Lusa

A semana de luta pretende reivindicar o aumento de salários, o emprego com direitos, a renovação da contratação coletiva e as 35 horas de trabalho semanal para os trabalhadores dos setores público e privado

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, anunciou hoje a realização de uma semana de luta, de 16 a 20 de maio, com greves, manifestações e concentrações, pela reposição dos direitos dos trabalhadores.

Arménio Carlos justificou a iniciativa afirmando que “só com a luta se alcança a mudança” e que a semana de manifestações pretende reivindicar o aumento de salários, o emprego com direitos, a renovação da contratação coletiva e as 35 horas de trabalho semanal para os trabalhadores do setor público e privado.

“Este é o tempo de concretizar a esperança e lutar pela mudança. Um tempo recheado de desafios e de potencialidades [...]. O cumprimento das promessas credibiliza os políticos e a política reforça a democracia”, disse Arménio Carlos perante milhares de pessoas que o ouviam na alameda D. Afonso Henriques, em Lisboa, onde terminou o tradicional desfile comemorativo do Dia do Trabalhador.

O dirigente sindical considerou que “as medidas implementadas [pelo atual Governo socialista], embora limitadas, invertem o rumo de cortes sucessivos nos salários, nas pensões e nos direitos”, mas defendeu que perante o novo quadro político e “nesta nova fase é preciso ir mais longe”. No entender do líder da Intersindical, “há muito caminho para fazer, um conjunto vasto de problemas para resolver e uma luta que não pode parar”.

Numa mensagem dirigida ao executivo socialista de António Costa, Arménio Carlos manifestou o apoio da CGTP para “resistir às chantagens e ingerências internas e externas”, mas avisou que a Central jamais será cúmplice “de políticas que perspetivem a cedência e subjugação aos ditames da 'troika' ou a hipotéticos consensos alargados defendidos pela direita”.

Insistiu ainda que “é tempo de romper com o passado” e acentuou que o momento atual “implica que o diálogo e a negociação têm de produzir resultados” no curto prazo.

A propósito da celebração do 1.º de Maio, que este ano coincide com o Dia da Mãe, Arménio Carlos enalteceu as mães e mulheres trabalhadoras que, pela sua “tenacidade, firmeza e determinação” têm estado na frente da luta. Neste dia, a CGTP reafirmou ainda a realização de uma Campanha Nacional contra a Precariedade.