Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Secretário de Estado critica aplicações de entidades do Estado em offshores

Marcos Borga

Mourinho Félix diz que ainda não tem confirmação de que entidades públicas tenham recorrido a paraísos fiscais. Mas, a ter acontecido, “parece difícil de justificar”

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

O secretário de Estado das Finanças Ricardo Mourinho Félix disse esta sexta-feira que "parece difícil de justificar" que empresas públicas ou outras entidades ligadas ao Estado português tenham feito aplicações financeiras em paraísos fiscais.

Conforme o Expresso noticiou, o Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre a existência dessas aplicações e, de acordo com dados do Fundo Monetário Internacional, em 2015 o Estado tinha 167 milhões de dólares (148 milhões de euros) aplicados em duas offshores: Jersey (131 milhões de dólares) e Jordânia (17 milhões de dólares).

Esta sexta-feira de manhã, durante um debate sobre banca que versou também os paraísos fiscais, o secretário de Estado foi questionado sobre o assunto mas não tinha dados para responder aos deputados. "Já contactámos entidades sob as quais está cerca uma centena empresas públicas, e não temos até agora informação de que exista alguma aplicação em países que estejam na lista de paraísos fiscais", respondeu Mourinho Félix.

O governante explicou ainda que vai agora optar pelo "caminho inverso": contactar o FMI, para "saber de onde vem essa informação" divulgada pelo organismo sedeado em Washington. A ideia, explicou, é perceber se se houve uma "má classificação por parte do FMI" ou, se se confirmarem esses dados, “identificar alguém que esteja a ocultar informação [em organismos do Estado], o que seria extremamente grave”.

E concluiu que, a confirmar-se essa aplicação por parte de entidades do Estado em offshores, isso "parece dificil de justificar".