Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD é contra, mas não vê “utilidade” em levar Programa de Estabilidade a votação

  • 333

José Sena Goulão/Lusa

O deputado do PSD Leitão Amaro declarou esta sexta-feira que os sociais-democratas serão sempre contra o Programa de Estabilidade (PE) e o Plano Nacional de Reformas do Governo socialista, apesar de discordarem da necessidade de serem votados no Parlamento

“Da parte do PSD, não existem dúvidas de que a maioria de esquerda, de Governo - PS, BE, PCP e 'Verdes' -, apoia este caminho errado. Portanto, não víamos necessidade e utilidade em submeter o PE a votação”, começou por esclarecer o vice-presidente da bancada do PSD.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, confirmara pouco antes que o partido irá apresentar no Parlamento um projeto de resolução sobre os referidos documentos do executivo liderado por António Costa, desconhecendo-se se o texto apela ao apoio ou ao voto contra aquelas propostas governamentais.

“Evidentemente, todos os partidos são livres, tal como o Governo, a sujeitar o PE a votações e, havendo algum que o faça, o PSD não deixará de votar num sentido que demonstre a sua discordância profunda com o exercício e a forma irrealista e não credível de governar e a falta de ambição e vontade reformista e de capacidade para resolver os problemas estruturais do país”, continuou.

Leitão Amaro sublinhou que, perante “qualquer projeto de resolução que teste o apoio ou a rejeição deste PE, o PSD, não achando necessário, votará mostrando essa rejeição”. Para o deputado do PSD, o Governo do PS “abdica de qualquer verdadeira reforma e condena o país a não crescer verdadeiramente”, numa “estratégia que é errada e não dá mais oportunidades aos portugueses”, citando as críticas do mais recente parecer do Conselho das Finanças Públicas.

Desejando que o executivo socialista "pudesse emendar a mão" e "adotar uma estratégia orçamental que evitasse riscos sem ser assente num otimismo irrealista", Leitão Amaro lamentou ver "emprego, exportações, investimento, atividade económica e PIB a abrandar e a arrefecer".