Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa no Portugal Próximo: “Acompanho a visão otimista do sr. Presidente”

  • 333

Luís Barra

Marcelo disse que o Governo meteu a ideologia na gaveta e rendeu-se ao sistema. Mas Costa chuta para canto: “O nosso Programa de Estabilidade mostra que é possível mais do que um caminho”. Às críticas de Teodora Cardoso respondeu: “Sobre previsões já ouvi tudo”

Ângela Silva

Ângela Silva

(texto)

Jornalista

Luís Barra

Luís Barra

(foto)

Fotojornalista

Foram duas horas de conversa num hotel da pacata Évora. O primeiro-ministro foi ao encontro do Presidente da República para o habitual encontro semanal e como Marcelo anda pelo Alentejo foi lá a primeira conversa entre ambos pós aprovação pelo Governo do Programa de Estabilidade. À saída, António Costa colou-se ao PR para mostrar confiança no parecer de Bruxelas.

“O senhor Presidente tem uma visão otimista e eu acompanho-o”, afirmou, sorridente. Quanto ao que Marcelo dissera na véspera em Portalegre - onde se congratulou por o Governo socialista ter deixado para trás “a ideologia”, sabendo render-se à lógica do sistema europeu -, o primeiro-ministro preferiu contornar: “O que o nosso Programa de Estabilidade mostra é que é possível mais do quem caminho para a consolidação orçamental”.

Costa prefere pôr o enfoque no Plano Nacional de Reformas - “é o mais importante para superarmos os nossos bloqueios estruturais”. Quanto às políticas de rigor, diz o que sempre disse: que quer cumprir a regras europeias, mas “sem prejuízo de entender que elas devem evoluir e que face à situação da Europa e do mundo, outras políticas económicas permitiriam outro tipo de crescimento”.

Confrontado com as críticas do Conselho de Finanças Públicas que acusa o Governo de fazer previsões “com elevado grau de incerteza”, António Costa respondeu: “Sobre previsões já ouvi tudo. Não vivemos num sobressalto permanente sobre o que vai acontecer amanhã”. O primeiro-ministro apontou duas válvulas de segurança da sua estratégia orçamental para o próximo ano: “As cativações no Estado e uma gestão cautelosa nas admissões na Função Pública.”

À porta do hotel, alguns alentejanos a assistir ao movimento e alguns, poucos, aplausos para o primeiro-ministro. Minutos depois, sai o Presidente da República, e a praça aquece. O carro preto é automaticamente rodeado de gente.

"Queremo-lo lá 10 anos", grita-lhe uma alentejana no meio dos abraços que esperam Marcelo em cada esquina. “Acho-o magro!”. O Presidente responde que não: “Estou cansado mas tenho mais um quilo”. O Portugal Próximo continua.

  • Costa no “Portugal Próximo” de Marcelo

    Encontro semanal entre Presidente e primeiro-ministro muda-se para Évora. Marcelo anda em digressão pelo Alentejo. Será lá a primeira conversa a dois depois do Conselho de Ministros aprovar o Programa de Estabilidade.

  • PCP ataca Marcelo

    Em editorial no “Avante” os comunistas apontam o dedo ao “diktat financeiro” do BCE perante a banca nacional. Mas as críticas sobram ainda para o Presidente da República, acusado de “submissão” e de agir contra a Constituição “que ainda há pouco tempo jurou cumprir e fazer cumprir”