Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD apela ao Ministério Público que abra inquérito a “mentira” de Centeno

  • 333

Pedro Nunes/Lusa

“Ficou claro terça-feira que existe uma contradição insanável e que há uma falsa declaração que nos termos da lei penal é um crime público”

O deputado do PSD Luís Marques Guedes apelou ao Ministério Público, no início da reunião desta quarta-feira da comissão de inquérito parlamentar ao Banif, que apure aquilo a que chamou de "depoimento falso", referindo-se a declarações do ministro das Finanças, Mário Centeno, sobre a venda do Banif e a proposta feita pelo Santander.

"A eficácia dos trabalhos da comissão de inquérito está ligada à veracidade dos depoimentos aqui prestados. Se não for assim, todo o inquérito fica colocado em causa. Os depoimentos seguem as regras do processo penal e ficou claro terça-feira que existe uma contradição insanável e que há uma falsa declaração que nos termos da lei penal é um crime público. O Ministério Publico terá que apurar aquilo que é o depoimento falso e é obrigação da comissão disponibiizar todas as gravações necessários para apurar este tipo de situações", afirmou.

O PSD acusa o ministro das Finanças de ter mentido na comissão parlamentar de inquérito ao Banif por ter dito que não teve qualquer intervenção para favorecer o Santander no processo de venda do Banif. Luís Marques Guedes divulgou na semana passada um email da presidente do conselho de supervisão do Banco Central Europeu, Daniéle Nouy, em que esta revela ter conversado com Centeno e Vítor Constâncio sobre a proposta do Santander. Estes teriam pedido ao BCE para desbloquear junto da Comissão Europeia a proposta do Santander para a compra do banco.

Depois da intervenção desta quarta-feira de Marques Guedes, o presidente da comissão, António Filipe, disse apenas ser "evidente que todas as gravações e o acervo documental é público e será disponibilizado a quem o solicitar". Já o deputado do PS Filipe Neto Brandão repudiou "a apreciação de que Centeno tenha feito depoimento falso". "É uma intervenção escusada", disse para o PSD.